Cinco deputados do Maranhão, entre eles Roberto Rocha (PSDB), Julião Amin (PDT) e Ribamar Alves (PSB), presidentes de suas siglas no Estado, encaminharam à presidência da Câmara documento em que se declaram coautores do livreto O Camaleão, escrito pelo deputado Domingos Dutra (PT-MA), denunciando supostos desmandos do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

O livreto, que tem 36 páginas e chama Sarney de "traíra", o compara a um camaleão que se adapta conforme seus interesses e o acusa de uma série de fraudes no Maranhão, passou a ser distribuído em julho pelo deputado, em Brasília.

Como represália, Sarney entrou com um pedido formal de abertura de processo disciplinar contra Dutra na Câmara. No pedido, ele afirma que o petista feriu o Código de Ética e Decoro da Câmara e do Senado ao entrar no plenário da Casa e distribuir o título que faz "referências agressivas à pessoa do presidente do Senado Federal".

Dutra foi notificado pela Corregedoria da Câmara, o que levou os deputados a apresentarem o pedido de apoio, para evitar um possível processo de cassação. "Fizemos isso porque esse é o método do Sarney. Depois de censurar o Estadão, ele agora tenta censurar até o livre direito de expressão de um deputado", afirmou Rocha. O corregedor da Câmara, ACM Neto (DEM-BA), prepara um parecer para decidir se abre processo contra Dutra ou não. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.