Ciência procura novas drogas para tratar insônia

A família dos remédios que foram detectados no organismo de Michael Jackson, além do propofol, é a de benzodiazepínicos. Seu uso ainda é frequente para tratar a insônia no Brasil, mas, por causar dependência e tolerância, eles já não são mais a primeira opção dos médicos.

Agência Estado |

"Novas classes de medicamentos estão sendo estudadas na busca de tratamentos seguros de médio e longo prazo", explica Dalva Poyares, professora do Departamento de Psicobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Enquanto a última geração não chega ao Brasil, uma intermediária vem sendo usada com sucesso no tratamento da insônia. O zolpidem está no mercado há 15 anos e apresenta resultados positivos, por tratar exclusivamente da falta de sono. "A tendência nas pesquisas desses fármacos é procurar os mais seletivos, ou seja, os que afetem somente o sono e tenham o menor número possível de efeitos adversos", diz Dalva. A trazodona, também bem-sucedida no tratamento do distúrbio, traçou o caminho inverso. É um antidepressivo que se saiu melhor na carreira de indutor do sono e foi, assim, aperfeiçoado nesse sentido.

A neurologista explica ainda que há estudos para o desenvolvimento de remédios específicos para idosos - de longe, os mais afetados pela privação do sono. Com a idade, é natural que se durma menos, porque o corpo passa a produzir menos melatonina, hormônio liberado com a escuridão e responsável pela regulação do sono. "Essa nova família que está sendo desenvolvida é de derivados da melatonina, mas ainda não tem previsão de chegada ao Brasil", afirma Dalva. Para casos de insônia leve, fitoterápicos como a valeriana e o lúpulo podem ser usados. "Mas o medicamento, não o chá", avisa.

Além da abordagem medicamentosa, a médica lembra que alguns comportamentos - ou a mudança deles - podem ter efeito positivo. Manter-se longe da luminosidade perto da hora de deitar, evitar exercícios físicos à noite mas realizá-los durante o dia e aumentar o convívio social costumam ajudar. "As pessoas pensam que ficar quietinho em casa é o que resolve, mas estudos mostram que a interatividade é fundamental para uma boa noite de sono."

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG