Em ao menos 14 cidades, protesto pede mais atenção do governo às bicicletas como meio de transporte e mais segurança contra mortes

Ciclistas protestam em Brasília
AE
Ciclistas protestam em Brasília
Ciclistas de várias cidades brasileiras realizaram na noite desta terça-feira uma manifestação para pedir mais atenção dos governos às bicicletas como meio de transporte a ser levado em conta na elaboração de políticas públicas de mobilidade. O objetivo foi exigir mais segurança no trânsito por meio de ações como a construção de ciclovias e a realização de campanhas educativas para sensibilizar os motoristas e os ciclistas sobre seus direitos e deveres previstos no Código de Trânsito Brasileiro.

Chamada de Bicicletada Nacional, a iniciativa ocorreu ao menos em 14 cidades do País: São Paulo (SP), Jundiaí (SP), Rio de Janeiro (RJ), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Caxias do Sul (RS), Salvador (BA), Belém (PA), Brasília (DF), Cascavel (PR), Pelotas (RS), Santo André (SP), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS).

As manifestações foram uma ampliação dos passeios que grupos realizam semanalmente nessas cidades e foi desencadeada depois que ao menos três ciclistas perderam a vida, atropelados em apenas um dia. Na última quinta-feira (2), a bióloga Juliana Dias, 33 anos, foi atropelada por um ônibus quando transitava pela avenida Paulista, em São Paulo.

Ceará: Ciclista de 66 anos morre atingido por pneu em rodovia

Rio Grande do Sul: Motorista atroela grupo de ciclistas

Inglaterra: Motorista joga ônibus contra ciclista

No mesmo dia, pelo menos mais dois ciclistas também morreram atropelados. O mecânico Hélio Nunes da Costa, 43 anos, foi atingido por um carro ao tentar atravessar a BR-316, na região metropolitana de Belém (PA) e a poucos metros de uma passarela de pedestres. A terceira morte foi registrada no Riacho Fundo (DF).

Nesta terça-feira, um adolescente de bicicleta foi atropelado por um ônibus na Vila Prudente , zona leste de São Paulo. Somente na capital paulista, 439 ciclistas morreram no trânsito entre 2005 e 2010, segundo dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.