Subiu para quatro o número de vítimas da chuva em Sengés, na região norte do Paraná, divisa com São Paulo. Segundo o subtenente Nilson Ramos, da defesa civil do estado, a quarta vítima era uma das três pessoas que estavam desaparecidas.

Até o momento, morreram um homem, de 70 anos, um menino, de 3 anos, e duas mulheres, uma de 34 anos e a outra sem idade definida. Há ainda duas pessoas desaparecidas e 17 feridos.

A cidade de Sengés permanece isolada depois que as duas pontes que ligam o município a São José da Boa Vista e Itararé caíram com a cheia dos rios que passam pelas cidades e permanece sem comunicação via telefone ou rádio.

Além de Sengés, as cidades em piores situações são Tomazina, Pinhais e Campo Magro. O Corpo de Bombeiros de Jaguariaíva montou, hoje, uma base em Sengés por onde fazem contato com a corporação, por meio de rádio amador, segundo o subtenente Ramos.

O número de pessoas afetadas em decorrência das chuvas no estado é de 4.041. O número de desabrigados é de 1.106 (pessoas que perderam tudo e precisam dos abrigos públicos) e de desalojados, de 748 pessoas (as que podem contar com ajuda de vizinhos e familiares). Foram danificadas 764 casas. O número de casas destruídas chega a 81. O norte do Paraná tem a situação mais grave, de acordo com a Defesa Civil.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há previsão de pancadas de chuva rápidas em todo o estado. Os municípios que até o momento informaram problemas com as chuvas são: São José da Boa Vista, Almirante Tamandaré, Jaguariaíva, Campo Largo, Campo Magro, Sengés, Arapoti, Ibaiti, Pinhalão, Sapopema, Tomazina, Colombo, Campina Grande do Sul e Ibiporã. O município de Pinhais enfrentou problemas com o aumento do nível das águas dos rios Palmital e Iraí. Segundo a defesa civil de Pinhais, os rios voltaram a níveis próximos do normal e as pessoas puderam voltar para suas casas.

Estradas

Várias rodovias do Estado ficaram danificadas, devido a queda de barreiras, pontos de alagamento e risco de quedas de pontes. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a BR 476 - Estrada da Ribeira -, registrava até o início da tarde oito quedas de barreiras. O tráfego é parcial em vários desses trechos e está liberado apenas para automóveis. Alguns ônibus de linha percorrem trechos parciais, o que obriga os passageiros a fazerem baldeações com outros que vêm em sentido oposto.

O Batalhão de Polícia Rodoviária do Estado do Paraná informou que várias rodovias estaduais foram afetadas, especialmente aquelas que acessam o município de Sengés. A PR-239 está totalmente interditada por conta da queda de uma ponte que liga Sengés a Itararé. Já a PR-090 tem dois trechos de interdição por deslizamentos de terra que ocupam as pistas nos dois sentidos: no km 37, em Rio Branco do Sul e no km 32, em Sapopema. A PR-323 tem meia pista interditada, no km 335, em Cafezal, sentido Curitiba, também por queda de barreira.

Segundo a Autopista Régis Bittencourt, responsável pelo trecho da BR-116 que liga São Paulo a Curitiba, o tráfego na rodovia federal segue tranquilo e não foi afetado pela chuva.

Veja imagens da destruição da rodovia:

Leia mais sobre : Paraná  - chuvas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.