(Atualiza com novo número de mortos). São Paulo, 21 jan (EFE).- Pelo menos seis pessoas morreram hoje nos deslizamentos de terras causados pelas fortes chuvas que caíram nesta madrugada na Grande São Paulo e que voltaram levar o caos ao trânsito da região.

O Centro de Gerenciamento de Emergências de São Paulo (CGE) decretou estado de emergência em vários bairros das zonas sul e oeste da cidade devido ao acúmulo de águas.

Segundo a Defesa Civil, uma menina de 10 anos e um aposentado de 75 morreram em deslizamentos de terra em dois bairros da cidade de São Paulo, enquanto outra criança e uma adolescente faleceram também em deslizamentos ocorridos na cidade de Ribeirão Pires, na Grande São Paulo.

Em Mauá, outro município nos arredores de São Paulo, uma mulher de 33 anos morreu em outro deslizamento de terra. A sexta morte foi registrada em Santo André, onde a vítima foi um homem de 45 anos.

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, atribuiu as constantes inundações pelas chuvas ao crescimento desordenado e à impermeabilização da cidade, já que o asfaltamento avança a cada dia e as águas das chuvas não têm como penetrar no subsolo.

"Mais uma vez, o que causou as inundações na cidade de São Paulo não foi só o excesso de chuva, mas também o crescimento desordenado da cidade e a impermeabilização excessiva", disse Kassab.

O temporal que castigou São Paulo nesta madrugada provocou enchentes nas marginais Tietê e Pinheiros. Os principais túneis urbanos também ficaram inundados.

Segundo as autoridades municipais, das 50 enchentes contabilizadas na manhã de hoje nas principais avenidas, pelo menos 20 continuavam depois das 12h.

Desde o início de dezembro, as chuvas causaram 56 mortes no estado de São Paulo. EFE wgm/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.