morte de seis pessoas. " / morte de seis pessoas. " /

Chuva provoca seis mortes e trava marginais em São Paulo

SÃO PAULO ¿ Após uma manhã caótica por conta das fortes chuvas que atingiram a capital paulista e a região metropolitana do Estado, o trânsito melhorou nesta tarde na cidade de São Paulo. Nas marginais, no entanto, diversos pontos de alagamento continuam intransitáveis. As chuvas desta terça-feira causaram a http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/12/08/deslizamento+de+terra+provoca+morte+crianca+em+sp+9227502.html target=_topmorte de seis pessoas.

Nara Alves e Lecticia Maggi, iG São Paulo |

Futura Press
Ônibus e caminhões também ficaram ilhados na Marginal Tietê

    De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergência (CGE), a chuva diminuiu na maior parte da cidade e o estado de atenção terminou às 15h25. Como a água invadiu as pistas da Marginal Tietê, o tráfego segue bloqueado em ambos os sentidos, junto às pontes Fepasa, Jaguaré, Aricanduva, Presidente Jânio Quadros e Piqueri. Também há retenções na altura da rua Quintana, do número 4.511 e da Rodovia Fernão Dias.

    Na Marginal Pinheiros, há pontos intransitáveis na altura das pontes do Jaguaré, Engenherio Ary Torres e Cidade Universitária. Motoristas relatam que estão há horas parados no mesmo lugar, como é o caso do caminhoneiro Celso Roberto, que demorou 7 horas para andar 500 metros, na altura da Cidade Universitária.

    Nara Alves, do Último Segundo
    Caminhoneiro relata transtornos que passou ao iG
    Por causa do alagamento, Celso Roberto considera que terá um prejuízo de R$ 90. "Saí do Porto de Santos de madrugada, vazio, e ia pegar um carregamento em Capivari (interior do Estado)", conta. O caminhoneiro ganha 10% do frete por viagem. "Agora é só esperar a água baixar", conforma-se.

    Por volta das 11h30, a reportagem do iG conversou com o gerente de meio ambiente Roberto Braga, que afirmou estar desde as 8h30 com o carro desligado, no sentido Castelo Branco da Marginal Pinheiros. "Saí às 6h de São Bernardo do Campo, mas perdi uma reunião em Indaiatuba marcada para às 8h30. O prejuízo é muito grande para a companhia porque não tomamos decisões importantes", explicou.

    Alguns motoboys que conseguiram chegar até a ponte Jaguaré na Marginal Pinheiros decidiram voltar pela contramão da via.

    De acordo com a CET, como muitas pessoas evitaram sair de casa, algumas vias estão com trânsito tranquilo nesta tarde. Às 14h20, a cidade tinha apenas 17 km de congestionamento. O índice é considerado abaixo da média para o horário.

    Alagamentos

    Nara Alves, do Último Segundo
    Camelô troca local de trabalho para lucrar
    Conforme o CGE, São Paulo registrou cerca de 60 pontos de alagamento. Alguns dos locais intransitáveis foram: avenida do Estado, sentido Santana, junto às ruas Presidente Batista Pereira e Teresa Cristina; avenida Presidente Wilson; avenida Rangel Pestana, altura do número 2345; e avenida Antartica. 

    Ao ver que as pessoas estão ilhadas, alguns camêlos aproveitam o dia para lucrar. Josué Gonçalves, que tem uma barraquinha de salgados e bebidas nas proximidades da Praça Panamericana, na zona oeste, transferiu sua barraca para o viaduto da Cidade Universitária, onde passageiros aguardavam a Ponte Orca na estação de trem da CPMT e motoristas esperavam dentro de seus carros. "Vim até aqui vender café pro pessoal", afirmou.

    Rodízio

    Os motoristas que foram multados nesta manhã por infringir a lei municipal do rodízio de veículos não serão obrigados a pagar a multa, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Para esta tarde, no entanto,  o rodízio de veículos está mantido .

    Transporte

    Os paulistanos enfrentaram diversos problemas para conseguir chegar ao trabalho nesta manhã. Além dos alagamentos nas marginais, os trens metropolitanos também tiveram a circulação prejudicada por causa da chuva.

    A linha sete Rubi (Luz - Francisco Morato) teve a circulação interrompida às 6h04, entre as estações de Caieiras e Franco da Rocha, na Grande São Paulo, devido a alagamentos na via férrea. O funcionamento já foi retomado.

    Segundo a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), como os trens que saem do terminal só conseguem chegar até a Estação Caieiras, para continuar a viagem, os passageiros devem tomar um ônibus até a Estação Baltazar Cibele.

    Quem precisou pegar ônibus, também enfrentou transtornos . No Terminal Rodoviário da Barra Funda, os coletivos não conseguiam sair nem chegar. A companhia Cometa, uma das empresas de maior movimento na Barra Funda, ficou impedida de sair da rodoviária durante quase toda a manhã.

    Alguns passageiros que vieram de outros Estados aguardaram a manhã toda no terminal para que parentes ou amigos conseguissem chegar ao local para buscá-los. A situação era angustiante.

    Cenário preocupante

    AE
    Obras de ampliação na Marginal Tietê/ arquivo
    Na semana passada, os paulistanos também sofreram com duas enchentes A última foi registrada na quinta-feira, quando 11 pessoas morreram .

    Especialistas ouvidos pela reportagem do iG dizem que o cenário é preocupante. O sistema de retenção de água já está lotado. Não tenho a menor dúvida de que teremos mais enchentes, afirmou a arquiteta urbanista Raquel Rolnik, da Universidade de São Paulo (USP).

    Os especialistas criticam a construção das novas pistas na Marginal Tietê. Além de considerarem que obra é uma medida de incentivo ao transporte individual e que não resolverá o problema do trânsito na cidade, eles afirmam que a medida aumentará ainda mais o risco de enchentes. Estamos ocupando o espaço de extravasamento do rio. Não é que o rio alaga, nós é que estamos no espaço dele, afirma o arquiteto urbanista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Paulo Renato Pellegrino, em entrevista ao iG.

    A obra, que teve início em junho, deve ser entregue em março de 2010, e prevê a criação de três novas faixas para o tráfego de cada lado, quatro pontes, três viadutos e um parque linear. O projeto foi orçado em R$ 1,3 bilhão, sendo que R$ 1,1 bilhão virá do Tesouro Estadual e os outros R$ 200 milhões das concessionárias de rodovias que se ligam à Marginal Tietê.

    Para Pellegrino, com a Nova Marginal o governo perdeu a oportunidade de fazer justamente o contrário: investir em obras no leito do rio contra enchentes. Poderia ser criado um sistema de drenagem com uma valeta contínua que poupasse as pistas de serem inundadas, afirma. O que vai acontecer com as faixas de tráfego quando tiver uma chuva forte?, questiona, e responde a própria pergunta: vamos criar uma situação de catástrofe .

    Veja imagens do caos em São Paulo


    Leia também:


      Leia tudo sobre: chuvamortestransito

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG