Chuva castiga região Sudeste do País

A chuva que atingiu a região Sudeste do País, na segunda-feira, trouxe mais uma vez uma série de transtornos à população: casas foram derrubadas, estradas destruídas e os alagamentos se espalharam pelas ruas.

iG São Paulo |

AE
Cratera aberta em rodovia paulista isola cidade

Cratera aberta em rodovia paulista isola cidade

Casas destruídas e cratera em SP

A cidade de Itapevi, na Grande São Paulo, está praticamente isolada depois de uma cratera ter sido aberta na rodovia SP-29, principal via que liga o município à Jandira, por volta das 19h de segunda-feira. A cratera 'engoliu' um carro do Departamento de Estradas de Rodagem (DER), mas, segundo a Guarda Municipal, o funcionário que estava no veículo teve apenas ferimentos leves e passa bem. Com a cratera, mais de mil pessoas tiveram de sair de casa.

Também na Grande São Paulo, em Carapicuíba, 19 casas ficaram totalmente destruídas na madrugada de segunda-feira após um deslizamento de terra no bairro Menck, na Estrada do Pequeá, em Carapicuíba. Ninguém se feriu.

De acordo com o Centro de Operações do Corpo de Bombeiros, o deslizamento aconteceu por volta da 1h30 e não estava chovendo. Outras 40 casas foram interditadas pelos bombeiros por precaução. A Defesa Civil foi acionada e deve auxiliar no auxílio às famílias desabrigadas.

Em São Paulo, são 34 dias de chuvas consecutivos . O Estado já registra 62 mortes por causa da chuva desde 1º de dezembro e 27 municípios estão em emergência .

Lula 'ilhado' no Rio

AE
Veículos cruzam ponto de alagamento próximo ao Maracanã

Veículos cruzam ponto de alagamento próximo ao Maracanã

O Rio de Janeiro também enfrentou fortes chuvas na segunda-feira, o que deixou a Defesa Civil Municipal em estado de alerta. O temporal deixou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ilhado por 40 minutos , após participar da inauguração de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio.

A gente esperava fazer uma festa bonita, mas ela vai ter que ficar para outra oportunidade, brincou Lula, referindo-se ao temporal.

Por causa do temporal, pelo menos duas casas desabaram em deslizamentos de terra, ruas foram alagadas e alguns bairros ficaram sem energia. O aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, ficou fechado para pousos no fim da tarde. A estação de trem na Central do Brasil também foi prejudicada e houve um princípio de tumulto.

Queda de árvores em BH

AE
Chuva causa queda de árvore na Rua Pitangui, bairro Colégio Batista, em BH

Chuva causa queda de árvore em rua no bairro Colégio Batista, em BH

A chuva também atingiu Belo Horizonte, inundando ruas e provocando queda de árvores em algumas regiões da cidade mineira.

Na segunda-feira, o presidente Lula disse que é preciso uma parceria entre as três esferas de governo ¿ federal, estadual e municipal - para solucionar o problema das enchentes.

"Não é culpa do prefeito, do governador ou do presidente individualmente. Possivelmente seja culpa de todos nós, que precisamos sentar com muito mais gente e tentar oferecer uma alternativa para melhorar a qualidade de vida desse povo que sofre todo ano. Todo ano, pode ser prefeito do PT, PC do B, PSDB, DEM, todo ano vai ter enchente em São Paulo se a gente não tomar atitude, porque custa caro começar a mudar essa situação", disse o presidente, durante discurso em São Paulo, onde foi homenageado com a Medalha 25 de janeiro concedida pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM) às personalidades que participaram da construção e do crescimento de São Paulo, cidade que hoje completou 456 anos.

Efeito El Niño

O verão no Brasil está mais chuvoso nas regiões Sul e Sudeste por causa do El Niño, fenômeno climático ocasionado pelo aquecimento anormal das águas do Oceano Pacífico Equatorial. O volume de água ficará acima da média nessas regiões.

Já no norte do Amazonas e do Pará e no centro do Maranhão até a Paraíba choverá menos, segundo as previsões climáticas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). No restante do país, as chuvas devem ficar dentro do normal.

De acordo com o meteorologista do grupo de previsão climática do Inpe, José Fernando Pesquero, no verão passado, o cenário era diferente - mais chuvas no Norte e Nordeste e seca no Sul -,devido aos efeitos do fenômeno La Niña, contrário ao El Niño. Conforme Pesquero, o El Niño deve perder força em meados do ano que vem.

Leia também:

Leia mais sobre chuvas

    Leia tudo sobre: chuvas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG