PEQUIM, por Antonio Broto ¿ A China celebra a cada 15º dia do oitavo mês do calendário lunar a Festa do Meio Outono, uma de suas celebrações mais tradicionais, que este ano premiará os cidadãos, pela primeira vez, com um dia de descanso no trabalho e que em Pequim coincidiu com a festa paraolímpica na cidade.

O festival, realizado em um dia que sempre coincide com a Lua Cheia, é uma celebração predominantemente familiar, por isso que não costuma ser acompanhada de festas ou cerimônias na rua, mas é muito especial no interior das famílias. Como costuma acontecer nas festas chinesas, o principal na Festa do Meio Outono ("Zhong qiu Jie", em mandarim) é comer um doce especial nesta data, os chamados "bolos de lua" ("yuebing"), redondos como o satélite terrestre e com diferentes recheios segundo cada região.

Este ano, a festa em Pequim coincide com a realização dos Jogos Paraolímpicos. Portanto, muitos atletas e treinadores de todo o mundo poderão apreciar a tradição. A organização colocou no refeitório da Vila Paraolímpica uma boa quantidade destes "yuebing" para que eles participem do evento.

Além disso, a vila celebra hoje um espetáculo artístico tradicional para aqueles que estão interessados em conhecer a cultura chinesa, enquanto nos quartos de muitos hotéis onde se hospedam jornalistas e preparadores foram postos bolos como presente. A tradição estabelece que, após comer com a família, os chineses saiam às ruas e consumam estes bolos olhando à lua cheia se as condições meteorológicas permitirem.

Este ano, pela primeira vez na história, os chineses poderão aproveitar um pouco mais as celebrações desta noite, já que hoje é feriado para muitos deles. No ano passado, o Governo chinês declarou o Meio Outono e outros dias tradicionais como datas festivas, embora este ano, ao cair em um domingo, o dia sem trabalho tenha sido transferido para segunda-feira.

Nem todos poderão desfrutar desse dia de feriado escolar, como lembra hoje a imprensa chinesa, entre eles a maioria dos 44 mil voluntários que trabalham nos Jogos Paraolímpicos e ficarão sem poder celebrar a esperada reunião familiar.

Nas semanas anteriores, as lojas e supermercados venderam milhões destes bolos, em ornamentadas vasilhas, já que os chineses costumam se presentear com estes doces no trabalho, no grupo de amigos ou na família. E quanto mais caros e enfeitados, melhor.

Muitos chineses, sobretudo os jovens, reconhecem que estão um pouco cansados dos "yuebing", devido a seu sabor enjoativo e textura muito compacta, portanto as produtoras destes bolos buscam a cada ano inovar nos sabores e nos recheios com relação ao tradicional, que costuma ser feito com uma gema de ovo dura.

Por isso, sabores ocidentais como o café ou o chocolate começam a ter mais sucesso que os tradicionais, e também os "yuebing" exóticos, como os da província de Yunnan (sul), que são recheados de presunto.

A festa acontece também nas comunidades chinesas fora do país, em outras nações asiáticas como Japão ou Vietnã, e em Taiwan, onde este ano a chegada do tufão "Sinlaku" frustrou a celebração.

A ilha está há três dias praticamente paralisada devido às fortes chuvas e ventos, por isso muitas visitas familiares serão canceladas e Taiwan dependerá mais das nuvens que da lua cheia.

A festa é realizada há mais de quatro mil anos pela civilização chinesa e está associada à lenda de Chang'e, uma heroína que, segundo contam, voou da Terra à Lua e lá ficou para viver.

A lenda diz que, na noite desta segunda-feira (hora local), será possível ver a silhueta de Chang'e sobre o solo lunar, e isso é o que milhões de chineses tentarão conseguir enquanto devoram os bolos de lua.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.