Chinaglia: debate sobre lei de anistia chegará à Câmara

O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou hoje que a discussão sobre uma eventual mudança na lei de anistia para punir os militares que torturaram presos políticos durante a ditadura (1964-1985) acabará chegando à Casa. A discussão foi provocada na semana passada pelo ministro da Justiça, Tarso Genro, que defendeu a punição aos militares acusados de assassinatos, tortura e violação de direitos humanos no período.

Agência Estado |

"É prematuro fazer qualquer julgamento se vai haver ou se deve haver mudanças na lei de anistia. Haverá antes um debate jurídico", disse Chinaglia, referindo-se a uma eventual discussão do assunto no Supremo Tribunal Federal (STF).

Ele evitou dar sua opinião sobre a questão. "Não posso me despir da função de presidente da Câmara e entrar em tema polêmico, fazer reflexões que ainda não fiz. É um tema relevante e não acho prudente dar opinião nesse momento", disse Chinaglia. No entanto, ele afirmou que depois das declarações de Genro e do ministro da Defesa, Nelson Jobim, o debate chegará ao plenário ou em alguma comissão da Câmara.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG