infiel - Brasil - iG" /

Chinaglia aguarda ofício do STF para cassar infiel

O deputado Walter Brito Neto (PRB-PB) poderá se tornar nesta semana o primeiro deputado federal a perder o mandato por infidelidade partidária. O presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou que espera a notificação formal do Supremo Tribunal Federal (STF) sobre a posição da Justiça para reunir a Mesa e cumprir a decisão.

Agência Estado |

O presidente do Supremo, Gilmar Mendes, telefonou hoje a Chinaglia para informá-lo que o deputado perdeu o recurso no qual tentava se manter no mandato. Além disso, Mendes informou a Chinaglia que julgará um último recurso, esse do PRB, nesta semana, provavelmente amanhã, e que, só depois disso, enviará o ofício comunicando a posição do Supremo.

"O que segura o mandato do deputado hoje é o recurso do PRB ainda não julgado", disse Chinaglia. "Evito entrar no mérito, mas qualquer análise aponta no enfraquecimento da posição do deputado", disse Chinaglia. O presidente da Câmara já marcou uma reunião da Mesa para quinta-feira para tratar de outros assuntos. "Pode haver uma coincidência", disse, referindo-se à possibilidade de a Mesa declarar a perda de mandato de Brito Neto na reunião de quinta.

Há três meses, o presidente da Câmara recebeu ofício do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinando que Chinaglia desse posse ao suplente de Brito Neto, que havia perdido o mandato. Desde então, Chinaglia tem adiado a declaração de perda de mandato do deputado se prendendo a uma consulta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa que diz que a Mesa só poderá declarar a perda de mandato depois que todos os recursos possíveis do deputado tenham sido julgados. "Está se garantindo o direito de defesa. Essa julgamento será paradigma para os futuros casos. Se trata de ter cautela", argumentou Chinaglia.

Brito Neto perdeu o mandato por decisão do TSE em março, porque trocou o DEM pelo PRB em setembro de 2007, ou seja, depois de 27 de março de 2007, data a partir da qual o TSE estabeleceu que os mandatos pertencem às legendas e não aos parlamentares. O descumprimento de Chinaglia da notificação do TSE enviada à Câmara em setembro provocou atritos com o presidente do tribunal, Carlos Ayres Britto. O ministro criticou a demora da Casa em declarar a perda de mandato de Brito Neto e ouviu ataques de Chinaglia proferidos no plenário da Câmara.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG