China quer força de lei em meta ambiental só para ricos

A China buscará metas com força de lei para os países ricos e vai rejeitar requerimentos similares para o próprio país no encontro internacional sobre o clima em dezembro, afirmou hoje o principal enviado chinês para o assunto, Yu Qingtai. Ele disse que não é justo que todos os países tenham o mesmo peso no combate ao aquecimento global, pois a maioria dos danos ambientais foram causados pelas nações desenvolvidas durante a industrialização delas.

Agência Estado |

"Os países desenvolvidos não devem fazer pedidos aos países em desenvolvimento que não são razoáveis", afirmou. Segundo ele, os países ricos devem se fazer a seguinte pergunta: "Na resolução desse problema que eu criei, estou mantendo minhas promessas e honrando meus compromissos?"

O encontro em Copenhague será entre 7 e 18 de dezembro. O objetivo da reunião é fazer com que os países em desenvolvimento assumam algum papel para cortar as emissões de gases causadores do efeito estufa. Não está claro como isso estará escrito no acordo, nem se as metas do países mais pobres terão força de lei.

Protocolo de Kyoto

A China, como outros países em desenvolvimento, quer manter um quadro semelhante ao do Protocolo de Kyoto, de 1997, pelo qual 37 nações ricas se comprometem a cortar emissões. Esse acordo não possui metas com força de lei para países em desenvolvimento.

Os Estados Unidos foram o único país desenvolvido a rejeitar o acordo de Kyoto, argumentando que esses cortes prejudicariam sua economia. Além disso, Washington defendia que países em rápido crescimento, como a China, também deveriam ter metas.

O presidente Barack Obama, ao contrário do antecessor George W. Bush, pretende entrar no novo acordo, que deve valer a partir de 2012. Em troca, porém, os negociadores dos Estados Unidos buscam algum tipo de compromisso de China, Índia, Brasil e outras nações. A China é o maior emissor de gases causadores do efeito estufa e anunciou metas para reduzir suas emissões, embora se recuse a aceitar punições em caso de descumprimento dessas metas.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG