Um executivo da siderúrgica estatal chinesa Shougang foi detido por autoridades da China, em um sinal de que o país asiático está ampliando a investigação de suposta espionagem por parte de quatro funcionários da mineradora anglo-australiana Rio Tinto que foram detidos no início desta semana. Um porta-voz da Shougang não quis comentar o assunto.

Hoje, o primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, minimizou as alegações de espionagem contra um dos funcionários da Rio Tinto, Stern Hu, que tem passaporte australiano.

Rudd afirmou que as relações entre os dois países não estão ameaçadas pelas suspeitas da China de suborno e roubo de informações na negociação dos preços do minério de ferro. "Estou confiante de que poderemos resolver isso", afirmou Rudd à rádio 3AW, dizendo que a relação entre China e Austrália no passado já teve altos e baixos e pôde ser administrada. "Essa é uma relação muito ampla, mas nós levamos os interesses de cada australiano muito seriamente", acrescentou.

Intervenção

O primeiro-ministro afirmou ainda que não descarta uma intervenção no assunto, mas descreveu o processo como um caso "consular complexo" que exige uma abordagem passo a passo. "Nosso objetivo é, com certeza, garantir a liberdade de Hu", disse Rudd. Autoridades consulares da Austrália deverão visitar Hu hoje e oferecer uma representação legal. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.