Passados 20 anos de seu assassinato, o líder ambientalista Chico Mendes - que ficou mundialmente conhecido em 1986, com o prêmio Global 500 da Organização das Nações Unidas (ONU) - é o mais novo anistiado político brasileiro. O pedido em nome do líder dos seringueiros do Acre, considerado um dos maiores defensores da floresta amazônica, foi aprovado anteontem, por unanimidade, pela Comissão de Anistia do Ministério da Justiça.

A viúva do ambientalista, Ilzamar Mendes, e os filhos Sandino e Elenira - homenagem a uma guerrilheira do Araguaia - receberão indenização retroativa de R$ 337 mil e R$ 3 mil mensais. O líder seringueiro foi morto a tiros em dezembro de 1988, em sua casa, em Xapuri (AC), a 180 quilômetros de Rio Branco. Os fazendeiros Darly Alves da Silva e seu filho Darcy foram apontados como autores do assassinato e condenados a 19 anos de prisão, mas estão livres. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.