Chefe de segurança de FHC apóia decisões de sigilo de gastos do atual governo

BRASÍLIA - O chefe da segurança da Presidência da República na época do governo Fernando Henrique, general Alberto Cardoso, declarou nesta quinta-feira em depoimento à CPI mista dos Cartões Corporativos que apóia as decisões do atual ocupante do cargo, general Jorge Félix, quanto a sigilos de gastos do presidente Lula e outros ministros. A argumento enfraquece as alegações da oposição de que é preciso abrir todas as despesas.

Rodrigo Ledo ¿ Último Segundo/Santafé Idéias |

Em suas declarações iniciais, o general Alberto Cardoso, ex-ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, disse que a grande dificuldade de quem executa a atividades de segurança e inteligência na cúpula do governo é lidar com o conflito entre dois princípios previstos na Constituição: a publicidade dos gastos e a eficiência das atividades (no caso, o maior grau de segurança possível das autoridades).

Ele ressaltou, inclusive, a dificuldade de criar normas para deixar mais claras as situações em que os gastos devem ser sigilosos porque tudo é relativo e dinâmico nessa área.

O risco [do chefe da segurança] é se trocar o princípio da publicidade pela exceção [do sigilo], há ameaça de se banalizarem as exceções. O general Félix foi muito feliz quando disse [à CPI, nesta quarta] que cada caso deve ser acompanhado como um caso específico, e não diretamente enquadrado na exceção, elogiou o general Cardoso.

Segundo ele, que se solidarizou com o colega, há muitíssimas situações em que essa decisão [de manter sigilo sobre gastos] é crucial, na minha época tomei várias vezes na segurança do presidente [FHC].

Mas o general tranqüilizou os parlamentares ao destacar que o sigilo não é para sempre, pois em algum momento a divulgação dos dados deixam de afetar a segurança: Esse sigilo não é eterno, a necessidade dele não é eterna, é necessário em uma atividade, mas haverá um instante, passado o tempo, alguns anos, em que não haverá mais necessidade desse sigilo, e é por isso que esses arquivos estarão à disposição de historiadores.

Leia mais sobre:

Leia mais sobre: CPI dos Cartões

    Leia tudo sobre: cpi dos cartões

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG