Charlton Heston, o rosto da Hollywood dos anos 50

A voz profunda e o rosto sóbrio de Charlton Heston, que morreu neste domingo em Los Angeles, permitiram à Hollywood dos anos 50 recriar personagens históricos e bíblicos que ficaram marcados como símbolos da sétima arte.

EFE |

O lendário interprete, vencedor do Oscar de Melhor Ator por "Ben-Hur" (1959), morreu em sua residência de Beverly Hills, após ter sofrido por seis anos de uma lenta e ininterrupta deterioração devido ao Alzheimer.

Com uma integridade própria de seus personagens, o ator anunciou publicamente que sofria de uma doença que lhe tirava pouco a pouco a memória e suas funções vitais, da mesma forma que ocorreu com seu "bom amigo", o ex-presidente dos Estados Unidos Ronald Reagan.

"Devo ter coragem e resignação", disse na ocasião Heston, quando se viu obrigado a fechar definitivamente as portas para o cinema e a qualquer atividade pública à frente da National Rifle Association, organização americana em favor das armas que liderou durante anos.

Com seu porte atlético, seus traços marcantes e seu timbre de voz, Heston se encaixou perfeitamente no tipo de estrela que Hollywood buscava para suas grandes produções dos anos 50, nas quais a indústria se inspirava na Bíblia e nos livros de história.

Heston será lembrado como Moisés em "Os Dez Mandamentos" (1956) e o herói da reconquista espanhola Don Rodrígo Díaz de Vivar, em "El Cid" (1961), além de vários outros personagens históricos.

Também participou de grandes produções como "55 dias em Peking" (1963), "Terremoto" (1974) e "O Planeta dos Macacos" (1968), história que reviveu quando interpretou um pequeno papel na nova versão de Tim Burton, de 2001.

John Charlton Carter, como foi batizado, nasceu em Evanston, Illinois, no dia 4 de outubro de 1924, e desde pequeno amou o teatro.

Sua paixão pela interpretação o levou a se inscrever em cursos de teatro na universidade, onde conheceu sua esposa, Lydia Marie Clarke, com quem teve dois filhos.

Com ela, interpretou várias peças de teatro, e protagonizou em 1948 a obra de Shakespeare "Antonio e Cleópatra", que foi um grande sucesso por dois anos.

Heston foi contratado para interpretar o papel de Marco Antonio no filme "Julius Caesar" (1949), dirigido por David Bradley, papel que lhe abriu o caminho para o estrelato.

A partir daí sua carreira decolou, e ele participou de dezenas de filmes, entre eles "O Maior Espetáculo da Terra" (1952), de Cecil B. DeMille; "A Selva Nua" (1954), de Byron Haskin; "O Segredo dos Incas" (1954), de Jerry Hopper, "Os Dez Mandamentos" (1956), de Cecil B. DeMille, e "A Marca da Maldade" (1958), de Orson Welles.

Nos anos 60 participou de filmes como "Agonia e Êxtase" (1965), "O Senhor da Guerra" (1965), "Khartoum" (1966) e "O Planeta dos Macacos" (1968).

Nos anos 70 trabalhou em filmes como "O Senhor das Ilhas" (1970), "No Mundo de 2020" (1973), "Os Três Mosqueteiros" (1973), "Terremoto" (1974) e "Aeroporto 75" (1974).

Heston teve também uma forte faceta política, e se tornou conhecido como o último bastião dos conservadores em Hollywood.

Além de ser um republicano fanático, foi um firme defensor direito dos americanos de usar armas, como demonstrou através da National Rifle Association, que presidiu durante anos.

Leia mais sobre Charlton Heston

    Leia tudo sobre: charlton heston

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG