Chapa da esquerda uruguaia para eleição presidencial visita Lula

MONTEVIDÉU (Reuters) - A chapa da esquerda governista do Uruguai para as próximas eleições viajou nesta terça-feira ao Brasil para se reunir com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em busca de apoio para seu projeto. Além disso, o presidente socialista Tabaré Vázquez começará em breve a viajar pelo país para divulgar os feitos de seu governo antes do pleito de outubro.

Reuters |

O candidato a presidente pela coalizão de partidos de esquerda da Frente Ampla (FA), José Mujica, visitará Lula ao lado de seu companheiro de chapa e candidato a vice, o moderado ex-ministro da Economia Danilo Astori.

Mujica, um ex-guerrilheiro de 74 anos, declarou que admira o presidente brasileiro e disse identificar-se com ele.

"Tratarei de copiar do Lula a sua capacidade para ser um presidente de todos sem deixar de ser o presidente dos mais humildes", publicou há alguns meses em sua página na Internet.

Durante o encontro, o candidato pedirá a Lula facilidades para melhorar o acesso a equipamentos e materiais para a construção de residências, segundo informou a mídia local.

O antigo líder do Movimento de Liberação Nacional- Tupamaros durante a década de 1960, reconhecido por sua maneira informal de falar e de se vestir, desperta dúvidas em certos setores devido à aproximação a discursos mais radicais de esquerda, como os do presidente venezuelano, Hugo Chávez.

No entanto, como forma de tranquilizar os mercados, Mujica disse há alguns dias que será Astori quem definirá a equipe econômica se tomar posse do governo.

"Nós vamos ver um presidente de esquerda bem-sucedido", disse Astori há alguns dias, de acordo com mídias locais.

"Uma pessoa que não somente soube conduzir um país muito complexo, passando por circunstâncias muito difíceis e fazendo uma política muito séria e muito coerente, mas que ao mesmo tempo assegurou melhoras muito notáveis a um objetivo que estava traçado, que era reduzir a pobreza no país", acrescentou.

Além disso, discutiram sobre o bloco comercial do Mercosul, que os dois países integram junto a Argentina e o Paraguai. A Venezuela está em processo de incorporação ao grupo, e Chile e Bolívia são associados.

Em várias oportunidades, Astori se mostrou crítico com os dois maiores sócios do bloco por causa dos escassos avanços da união aduaneira para reduzir as assimetrias e os impedimentos para buscar acordos comerciais individuais fora do Mercosul.

Nos próximos dias, o presidente uruguaio começará uma viagem por alguns lugares do interior do país para divulgar os feitos de sua administração.

Vázquez "vai passar em lugares distintos para falar de alguma maneira sobre o que são as posturas do governo (...) a obra do governo em distintos aspectos", disse o diretor do Gabinete de Planejamento e Orçamento, Enrique Rubio.

Segundo a consultora local Factum, a FA tem 45 por cento das intenções de votos, seguido do direitista Partido Nacional, com 38 por cento.

O Partido Colorado, também de direita, alcança 9 por cento, enquanto o Partido Independiente tem 1 por cento.

As eleições nacionais ocorrerão em 25 de outubro, com segundo turno em novembro, se necessário.

(Reportagem de Conrado Hornos)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG