Chamados de pizzaiolos por Lula, senadores reclamam em plenário

BRASÍLIA - Os senadores repudiaram nesta quarta-feira a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que os senadores eram bons ¿pizzaiolos¿, se referindo às comissões parlamentares de inquérito (CPI) que, na maioria das vezes, não apresentam resultados relevantes.

Carol Pires, repórter em Brasília |


Na tarde de hoje, em entrevista à imprensa na sede da Embrapa, em Brasília, questionado por um repórter se a CPI da Petrobras era uma pizza com pré-sal, Lula respondeu: Depende. Todos eles são bons pizzaiolos. O presidente disse ainda que enquanto a oposição grita, ele trabalha.

O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), ao disse, em plenário, que a declaração de Lula não é condizente com a postura que deveria ter o chefe da Nação. O presidente é a pessoa que mais deveria ter linha e não insultar quem quer que fosse. Se ele não quer pizza, é só ele orientar a base a fazer as investigações para evitar novos constrangimentos, evitar motivos para novas CPIs, reclamou o líder tucano.

Para o senador Álvaro Dias (PSDB-PR), autor do requerimento que criou a CPI da Petrobras, quem merece ser chamado de pizzaiolo é o presidente Lula, e não os senadores. O presidente Lula, sim, é o maio pizzaiolo do país. Quando ele tomou providencias e puniu os do seu governo envolvido em escândalos? Pelo contrário, ele sempre passou a mão na cabeça dessas pessoas, disse o senador paranaense.

Agência Senado
"Me sinto profundamente ofendido em ser chamado de pizzaiolo, disse o senador Cristovam Buarque (PDT-DF)

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) pediu ao presidente do Senado que formalize um requerimento de repúdio à declaração do presidente. Chamar de pizzaiolo? O presidente da República? Milhões de crianças ouvem o presidente, e leva o imaginário do país a pensar como ele pensa? Me sinto profundamente ofendido em ser chamado de pizzaiolo, disse o senador Buarque.

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO), em ironia, disse que concordava com a declaração do presidente Lula, pois o próprio teria ajudado a transformar o Senado em uma fábrica de pizza, ao apoiar a candidatura de José Sarney (PMDB-AP) à presidência da Casa.

Entenda a CPI

A CPI criada para investigar irregularidades na Petrobras contou com o apoio de 30 senadores, três a mais que o número mínimo necessário para a criação de uma Comissão de Inquérito. O autor do pedido é o senador tucano Álvaro Dias (PSDB-PR).

Em seu requerimento, Álvaro destaca os seguintes pontos a serem investigados:

  • Indícios de fraudes nas licitações para reforma de plataformas de exploração de petróleo apontados pela operação Águas Profundas da Polícia Federal;
  • Graves irregularidades nos contratos de construção de plataformas, apontados pelo Tribunal de Contas da União;
  • Indícios de superfaturamento na construção da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, apontados por relatório do Tribunal de Contas da União;
  • Denúncias de desvios de dinheiro dos royalties do petróleo, apontados pela operação Royalties, da Polícia Federal;
  • Denúncias de fraudes do Ministério Público Federal envolvendo pagamentos, acordos e indenizações feitos pela ANP a usineiros;
  • Denúncias de uso de artifícios contábeis que resultaram em redução do recolhimento de impostos e contribuições no valor de R$ 4,3 bilhões;
  • Denúncias de irregularidades no uso de verbas de patrocínio da estatal.


A CPI vai ter 180 dias para realizar seus trabalhos, podendo ser prorrogada por igual período. 

Leia também:


Opinião

Leia mais sobre: CPI da Petrobras

    Leia tudo sobre: ato secretocpi da petrobrascriselulasenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG