Chacina foi resultado de guerra entre traficantes, afirma delegado

CURITIBA - A chacina que deixou oito mortos e dois feridos na noite do último sábado em Curitiba, no Paraná, foi resultado da briga entre traficantes no local, segundo o delegado Hamilton da Paz, da Delegacia de Homicídios. Segundo ele, está descartada a hipótese de que o crime tenha sido motivado por um possível toque de recolher não obedecido.

Redação com Agência Estado |

AE
Coletiva sobre chacina em Curitiba
Este crime bárbaro foi resultado de uma guerra que está acontecendo no local entre traficantes e não tem nada a ver com o toque de recolher, disse o delegado. De acordo com informações da Secretaria de Segurança Pública, pelo menos seis criminosos em três carros participaram da ação. Eles já foram identificados e são procurados pela polícia.

O secretário da Segurança Pública do Paraná, Luiz Fernando Delazari, determinou a união das polícias Militar e Civil em uma força-tarefa para prender os bandidos. Cinco delegados comandam oito equipes de policiais da Delegacia de Homicídios, com o apoio do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) e da Polícia Militar.

O crime

A chacina aconteceu na noite do último sábado, por volta das 22h, na Vila Icaraí, no Bairro Uberaba. O grupo estava passando pela rua quando foi atingido por vários tiros vindo de um grupo armado. Nenhuma das vítimas possuía antecedentes criminais, segundo a polícia.

De acordo com a polícia, entre os mortos estão um bebê de 5 meses e a mãe, que passavam de carro pelo local, quando voltavam da igreja. Outras duas vítimas voltavam de uma pescaria e outras duas, um rapaz e o cunhado, se dirigiam para um bar para jogar fliperama.

Entre os mortos estão Moisés Pinheiro da Silva, de 28 anos, Valdir Francisco dos Santos, de 19 anos, Marco Aurélio Mateus de Lima, de 17 anos, Nilza Ribeiro dos Santos, de 29 anos, Everaldo dos Santos Silva, 25 anos, Mateus Alves da Silva, de 5 meses, Jefferson Carvalho da Silva, de 25 anos, e Jeancarlo da Silva, de 20 anos, que morreu neste domingo de manhã.

Elias Nogueira da Silva, de 35 anos, que estava na relação de mortos, apenas ficou ferido. Segundo a delegacia, ele é marido de Nilza Ribeiro dos Santos, de 29 anos, e pai do bebê de cinco meses, que morreram durante o ataque.

Os dois feridos serão ouvidos pela polícia assim que se recuperarem. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Paraná, a polícia coletou diversas informações no local que vão auxiliar nas investigações e também recolheu projéteis e cartuchos que serão enviados para perícia no Instituto de Criminalística.

Leia mais sobre: chacina

    Leia tudo sobre: chacinacrimemorte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG