O número de áreas contaminadas no Estado de São Paulo cresceu 10% em novembro do ano passado, ante mesmo período de 2007. É o que revela o estudo divulgado hoje pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), que identificou 2.

514 locais contaminados pelos mais diversos tipos de poluentes contra 2.272 áreas em 2007. Os postos de combustíveis lideram a lista elaborada pela Cetesb e representam 78% dos locais contaminados no Estado, com um total de 1.953 registros. As atividades industriais estão em segundo lugar, com 13% de participação e 337 registros.

As atividades comerciais têm 120 registros, ou 5% do total. As instalações que se destinam aos resíduos - como lixões e aterros - representam 3% (80 registros) das áreas contaminadas enquanto que as de origem desconhecida chegam a 1%. Segundo o levantamento, o aumento constante do número de áreas contaminadas, após oito atualizações - 255 áreas em 2002, 727 em 2003, 1.336 em 2004, 1.504 em maio de 2005, 1.596 em novembro de 2005, 1.664 em maio de 2006, 1.822 em novembro de 2006, 2.272 em novembro de 2007, e 2.514 em novembro de 2008 - é devido à ação de fiscalização rotineira exercida pela agência ambiental paulista e, principalmente, resultado do programa de licenciamento dos postos de combustíveis, iniciado em 2001.

O dado positivo, segundo a companhia, é que do total de áreas cadastradas, 182 foram descontaminadas e podem ser consideradas aptas para o uso declarado, como industrial, comercial, habitacional ou de lazer, de acordo com avaliação feita pelo órgão ambiental. Este número representa a soma das áreas reabilitadas, num total de 87, e, em processo de monitoramento para reabilitação, num total de 95 locais.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.