Cerca de 2 mil votam hoje para eleger reitor da USP

Só um em cada três professores da Universidade de São Paulo (USP) dará seu voto hoje para eleger o novo reitor da instituição. A representatividade é ainda mais baixa entre alunos (um em cada 483 estudantes) e funcionários (um em cada 220).

Agência Estado |

O primeiro turno das eleições terá cerca de 1.925 eleitores. Eles votarão nas unidades de todo o Estado para formar uma lista com oito nomes. A apuração será feita na reitoria a partir das 20 horas e deve terminar no fim da noite. Qualquer um dos cerca de mil professores titulares pode receber votos, mas oito deles estão em campanha.

No dia 10 de novembro um colégio eleitoral ainda menor escolherá a lista tríplice, que será enviada ao governador José Serra (PSDB). Tradicionalmente é escolhido o mais votado. O 25º reitor da USP será empossado no fim de novembro, quando termina o mandato de Suely Vilela.

Este ano, no entanto, pode ser o último em que a universidade elege seu gestor com um processo considerado por muitos como ultrapassado e pouco democrático. Os oito candidatos ao cargo prometeram mudanças para as eleições que escolherão seu sucessor, em 2013. Mas nenhum deles defende diretamente as eleições paritárias, ou seja, que os votos de todos tenham o mesmo peso.

Na escolha do reitor das duas outras universidades estaduais paulistas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista (Unesp), todos têm direito a voto. Porém, o peso dos votos de professores corresponde a três quintos do total, enquanto o de alunos e funcionários, a um quinto cada um.

Boicote

Do total de eleitores, hoje 165 são alunos (98 de graduação e 67 de pós), 69 são funcionários e cerca de 1.650 professores. Eles foram eleitos ou indicados em suas unidades para fazer parte de órgãos deliberativos da instituição, como comissões e congregações. O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) propôs aos funcionários com direito à voto o boicote à eleição.

O Diretório Central dos Estudantes (DCE) também aconselhou aos alunos eleitores o boicote. O DCE pretende organizar um abaixo-assinado e realizar manifestações hoje em várias unidades da USP. As duas entidades querem articular uma grande manifestação no segundo turno, em novembro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG