O desligamento inadvertido do transponder, por um dos pilotos do Legacy, foi uma das principais causas do acidente com o Boeing da Gol, que matou 154 pessoas, em 29 de setembro de 2006. Ao tentar verificar o combustível do avião, os pilotos americanos se confundiram e desligaram o transponder, conforme o jornal O Estado de S.

Paulo antecipou na edição de sábado. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) concluiu que os pilotos “desligaram o transponder, inadvertidamente, durante familiarização ou operação da RMU”, que é a unidade de gerenciamento de rádio.

Os dois procedimentos são executados no mesmo equipamento de bordo. Distraídos em fazer cálculos para o pouso em uma pista mais curta do que esperavam encontrar em Manaus, e sem familiaridade com a aeronave, os pilotos não perceberam, durante 59 minutos, o sinal de alerta de que o transponder não funcionava. Os controladores de tráfego aéreo também “falharam” na execução dos procedimentos obrigatórios em suas funções. Houve “uma seqüência de equívocos”.

No processo de conclusão, o Cenipa descartou várias hipóteses. Uma delas é a de que não houve intenção de desligá-lo porque ninguém abre mão de um equipamento anticolisão propositalmente, por questão de segurança e, se isto tivesse sido feito, os pilotos teriam pedido ao controle para mudar de altitude e aumentar o distanciamento na vertical, em relação a outras aeronaves. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.