SANTO ANDRÉ - O diretor comercial do cemitério Jardim Santo André, Wagner Carnaval, confirmou nesta segunda-feira a doação de um jazigo para a família de Eloá Cristina Pimentel, que foi morta pelo ex-namorado Lindemberg Alves, depois de ter sido mantida refém por cerca de 100 horas, em Santo André, na Grande São Paulo.

Acordo Ortográfico

Segundo Carnaval, um dos donos do cemitério, Altimar Augusto Fernandes, se sentiu comovido pelo caso e decidiu doar um jazigo para a família de Eloá.

Carnaval confessou que, em sete anos de trabalho no cemitério, nunca presenciou uma doação de um jazigo. "O jazigo doado tem capacidade pra 15 sepultamentos. O objetivo é dar conforto para a família Eloá", disse.

Devido à localizaçao privilegiada (o setor 1 do cemitério), o jazigo doado pode valer R$ 10 mil. "Eles [a família de Eloá] não têm condições de comprar um espaço para sepultar a menina. Por vir de uma família carente, Eloá seria enterrada no cemitério central da cidade."

Após a notícia da doação, Carnaval afirmou que a família ficou muito grata.

Leia também:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.