Troca de farpas aprofunda crise entre PT e PSB no Ceará

Secretário de Cid Gomes diz que gestão de petista é "peça de ficção" e prefeita classifica ataque de covarde

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

AE
A prefeita Luizianne Lins
Os sinais de desgaste na aliança entre o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), e a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), estão mais claros a cada dia - e a cada nova declaração. A relação entre os dois vive um momento delicado desde que o chefe da Casa Civil do Estado, Arialdo Pinho, criticou a administração de Fortaleza pelo Twitter. Em vez de acalmar os ânimos, Cid considerou legítimo o direito de seu secretário se pronunciar contra a gestão petista. O  “fogo amigo” é mais um sinal de que a aliança PT-PSB na capital do Ceará passa por seu pior momento.

O embate entre os aliados começou no dia 9 de agosto, quando Arialdo Pinho ironizou matéria publicada pela revista Isto É elogiando aspectos da administração de Luizianne Lins. “Obrigados a lerem a peça de ficção em revista semanal, servidores e terceirizados não conseguem acreditar na lavagem cerebral imposta”, declarou o secretário de Cid Gomes na rede social.

A prefeita de Fortaleza não gostou do comentário e chamou Arialdo de “moleque” e “covarde”. A petista disse também que falaria com Cid sobre o comportamento de seu secretário. Sempre zeloso com a aliança, esperava-se que o governador do Ceará repreendesse Arialdo pelas declarações, o que não aconteceu. Cid, ao contrário, deu aval para as críticas no que chamou de “ambiente privado”. “Se ele fala como secretário, está proibido. Se for algo pessoal, tem todo o direito”, explicou na ocasião.

A nova reação de Luizianne veio no último sábado (13) durante uma plenária do PT realizada em Fortaleza. “Vou perguntar: como é? A aliança mudou? A conduta mudou?”, avisou a petista. Segundo ela, não faz sentido “dissociar” a pessoa do cargo público que exerce. “Não existe isso em canto nenhum”, ponderou.

A declaração de Luizianne tem como horizonte as eleições de 2012. A petista já está no segundo mandato e quer emplacar um candidato de seu partido com o apoio do PSB, um desejo manifestado diversas vezes também por Cid Gomes.

No último dia 12, Cid Gomes deixou uma dúvida no ar ao falar com a coluna Poder Online, do iG , sobre a disputa eleitoral em 2012. “Vou fazer o que eu puder para manter a aliança, mas não tenho essa obrigação. O PT tem de indicar um nome que agrade ao partido. Senão, o PSB lança seu candidato”. Antes disso, Luizianne disse à reportagem do iG que iria dialogar com o governador, mas que não aceitaria ingerência dele na escolha do candidato que irá encabeçar a chapa. “Cabe ao partido político definir o nome que ele indica”, afirmou.

“Pau mandado”

Na sessão desta terça-feira (16) da Assembleia Legislativa do Ceará o assunto ainda repercutia entre os parlamentares. A deputada Eliane Novais (PSB) – que é mesmo partido do governador, mas pertence a uma ala rival – deu a entender que Cid Gomes está usando interlocutores para provocar o rompimento da aliança.

"O chefe da Casa Civil é pau mandado dos Ferreira Gomes", disse. Ela cobrou de Cid uma medida como forma de sinalizar apoio a Luizianne. “A omissão pode caracterizar corroboração”, avaliou.

Agência Estado
Cid Gomes, governador do Ceará
Validade vencida

Cid Gomes e Luizianne Lins são os protagonistas da aliança vitoriosa no Ceará entre PSB e PT. Além de governador e prefeita, os dois são também os presidentes estaduais de suas siglas.

A parceria começou em 2004, quando os socialistas apoiaram a candidatura desacreditada da petista. Na época, boa parte do partido - incluindo a cúpula nacional – apostou na candidatura derrotada de Inácio Arruda (PCdoB). Em 2008, as bodas foram renovadas com a reeleição da prefeita. Nesse meio tempo, em 2006, o PSB se beneficiou com a vitória do governador Cid Gomes e, em 2010, com sua reeleição folgada logo no primeiro turno – sempre com o apoio do PT.

    Leia tudo sobre: luizianne linscid gomesfortalezacearápt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG