Governo do Ceará envia reajuste e anistia de policiais militares grevistas

Acordo foi firmado há um mês, quando terminou a greve de cinco dias dos policiais; matéria vai tramitar na Assembleia em regime de urgência

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

O governo do Ceará enviou à Assembleia Legislativa nesta quarta-feira (8) mensagem que reajusta os salários dos policiais militares do Ceará e anistia aqueles que participaram de protestos e aderiram à greve feita no início de janeiro . A matéria começará a tramitar nesta quinta-feira, em regime de urgência.

Os policiais passarão a receber uma gratificação de R$ 920,18O por desempenho militar. Atualmente, o salário base de um soldado em início de carreira no Ceará é de R$ 1.606,01. O ganho será retroativo ao mês de janeiro e será incorporado ao soldo. Na Bahia, policiais estão em greve há nove dias .

Em todo o País: Em ao menos 20 Estados, salário de policiais é inferior a R$ 2,5 mil

O projeto também prevê a anistia de todos os policiais que aderiram à paralisação e praticaram atos de insubordinação durante o movimento. O indulto vale a partir de 1º de novembro do ano passado até o dia 3 de janeiro deste ano, quando foi firmado o acordo entre categoria e governo, pondo fim a paralisação.

Esse período contempla não apenas o motim, mas também um protesto realizado por cerca de 500 militares contra o governador Cid Gomes (PSB), no dia 17 de novembro , durante uma visita à obra do Metrô de Fortaleza. A manifestação era um indicativo da greve que se avizinhava e foi deflagrada às vésperas da festa de réveillon. Com o acirramento da queda de braço, a anistia passou a ser uma das principais reivindicações da categoria e o maior ponto de impasse nas negociações.

Saiba mais sobre a greve da polícia no Ceará:

Com greve de policiais, Fortaleza entra em pânico e lojas fecham

PMs do Ceará em greve impedem uso de viaturas

Após PM aceitar acordo, Polícia Civil anuncia greve no Ceará

O líder do governo na Assembleia, deputado Antonio Carlos (PT), acredita que a matéria não deva enfrentar resistência por parte da oposição, pois, segundo ele, o projeto foi construído consensualmente com as lideranças dos policiais. Na avaliação do petista, não seria prudente contestar um acordo construído junto com a categoria.

“Depois do que aconteceu e diante do que estamos observando na Bahia, seria mais para jogar para a plateia”, disse à reportagem do iG .

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG