Estudante chama nordestino de 'lixo' e 'macacada' no Twitter

OAB entra com notícia-crime no Ministério Público e pede investigação sobre caso. Veracidade do perfil ainda não foi comprovada

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

As seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Pernambuco, Ceará e Piauí pediram nesta segunda-feira (12/12) ao Ministério Público Federal (MPF) do Rio Grande do Sul que investigue a internauta identificada como Sophia Fernandes. Em seu perfil no Twitter, a suposta estudante gaúcha chamou o Nordeste de “4º mundo” e a população da região de “lixo” e “macacada”, entre outros insultos.

Preconceito 1: Um mês depois, jovem que ofendeu nordestinos vive escondida

Preconceito 2: Com apagão, preconceito contra nordestinos volta a surgir na web

A OAB apresentou uma notícia-crime denunciando o perfil @SophiaOfDreams na rede social por racismo. Sem explicar o porquê, na última quinta-feira Sophia Fernandes iniciou um ataque contra o Nordeste, e em especial contra a população do Estado do Piauí, a quem chamou de "macacada", "babuínos de Marte” e “lixo”.

Reprodução
Perfil no Twitter de internauta identificada como Sophia Fernandes foi hackeado
Em uma das postagens, ela pede para que seja processada e classifica o Nordeste como um “estado de 4º mundo”. Entretanto, o ataque não se restringe aos nordestinos. Os Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Rondônia também foram vítimas das ofensas.

Sophia recebeu respostas de centenas de internautas, mas também o apoio de vários dos seus 38 mil seguidores. O debate se estendeu até o dia seguinte, e ela chegou a desafiar a Justiça cobrando “liberdade de expressão”. Contudo, hackers invadiram a conta e tiraram o perfil do ar.

A OAB de Pernambuco informou que ingressou no MPF do Rio Grande do Sul com uma notícia-crime por racismo. As seccionais no Ceará e Piauí fizeram o mesmo em conjunto, além de terem encaminhado um ofício à Polícia Federal para o autor dos ataques seja identificado, já que se suspeita que o perfil usado seja falso. Segundo a assessora jurídica da OAB-CE, Patrícia Sena, se isso for comprovado, o internauta será acusado também de falsidade ideológica. Nesse caso, a dona da foto do perfil pode ser também uma das vítimas.

A repercussão das postagens faz lembrar o caso da estudante Mayara Petruso . Ela responde a uma ação penal pública na Justiça Federal de São Paulo por ter escrito frases contra nordestinos, também no Twitter, após o anúncio da vitória nas eleições de 2010 da presidenta da República Dilma Rousseff . Dilma contou com uma votação maciça da população dos Estados nordestinos.

    Leia tudo sobre: preconceitonordestinostwitter

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG