Cid diz que pânico em Fortaleza foi dia 'mais longo' de sua vida

Governador falou pela primeira vez sobre paralisação da polícia que esvaziou as ruas da capital cearense

Daniel Aderaldo, iG Ceará |

Após 21 dias da greve dos PMs que fez o comércio de Fortaleza fechar, governador do Ceará falou pela primeira vez sobre o episódio e justificou seu “silêncio”. Cid Gomes (PSB) declarou na noite de ontem que o dia em que a paralisação dos policiais militares levou pânico a Fortaleza, fazendo o comércio da capital fechar as portas, foi “o mais longo de sua vida”.

Paralisação: Com greve de policiais, Fortaleza entra em pânico e lojas fecham
Novo comando: Após greve, comando da PM tem substituições

AE
Governador empenhou-se em explicar silêncio diante do episódio
A data em questão era a primeira terça-feira do ano, quando o Ceará enfrentou o quinto e último dia de greve na Polícia Militar, iniciada às vésperas da festa de réveillon. Cid Gomes contou que permaneceu em seu gabinete no Palácio da Abolição das 8 horas da manhã até o início da madrugada do dia seguinte, enquanto a população esvaziou as ruas, assustada com supostos arrastões que teriam acontecido em toda cidade. Segundo o governador, durante todo esse espaço de tempo, ele estava tentando “manter abertos os canais de comunicação”.

Em entrevista concedida à TV O Povo, de Fortaleza, - a primeira desde o episódio – Cid também tentou justificar o fato de não ter feito, até então, nenhuma declaração pública sobre a greve e suas consequências. “Em certas ocasiões se contribui mais tomando atitudes que tem de tomar, mas em silêncio”, afirmou ele.

Cid reconheceu falhas do governo na comunicação com a população que permitiram, na visão dele, a disseminação de boatos sobre uma onde de crimes em Fortaleza. “Nessa coisa de segurança você tem duas coisas muito claramente apartadas: a segurança e a sensação de segurança, que é algo fundamental. Naquele dia, a sensação foi a zero”, alegou.

Contudo, o governador ponderou que não lhe restou outra opção que não a de silenciar. “Eu só poderia ir a público dizer que a população tem segurança se estivesse seguro disso, e eu não estava seguro”, admitiu à emissora de televisão local.

    Leia tudo sobre: cearágrevepolicia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG