Cateter para medição de pressão é retirado do crânio do cineasta Fábio Barreto

RIO DE JANEIRO - O cateter que media e controlava a pressão craniana do cineasta Fabio Barreto foi retirado nesta quarta-feira (30/12). O procedimento cirúrgico, avaliado como simples pela equipe médica responsável, aconteceu porque a pressão intracraniana de Barreto está estável e sob controle. O cineasta está internado no hospital Copa dOr desde o dia 19 de dezembro, após sofrer um acidente automobilístico.

iG Rio de Janeiro |

Segundo o neurocirurgião Paulo Niemeyer Filho, o estado de saúde do Barreto ainda é grave, mas está evoluindo positivamente. "A retirada do cateter foi um passo importante. Fechamos a porta de entrada da meningite, eliminamos um risco", afirmou, em comunicado divulgado à imprensa.

Barreto ainda é mantido em coma induzido. Como a pressão intracraniana está sob controle, a partir desta quinta-feira já será possível iniciar uma lenta redução da sedação que o mantém em coma. Ainda não foi definida a data de uma nova tomografia computadorizada nem do próximo pronunciamento médico.

Veja a íntegra do boletim médico divulgado nesta quarta-feira (30):

"O paciente Fabio Barreto permanece internado em coma induzido, sob respiração mecânica, em estado clínico grave, porém estável, na Unidade Neuro-Intensiva do Hospital Copa D Or. Exame de tomografia computadorizada de crânio foi realizado, evidenciando boa evolução;  devido à estabilização do quadro neurológico no período, optou-se por remover hoje o cateter de medição da pressão intracraniana. Os parâmetros clínicos demonstram evolução satisfatória; o paciente deverá ter sua sedação reduzida progressivamente ao correr dos próximos dias. 

Dr. Paulo Niemeyer Filho, Neurocirurgião
Dr. João G. Pantoja, Medicina Interna / Pneumologia e Superintendente Médico Rede D Or
Dr. Antonio Carlos Moraes, Diretor Médico ¿ Hospital Copa D Or".

O acidente

O acidente ocorreu por volta das 22h de sábado, em Botafogo, zona sul do Rio, quando Barreto voltava do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), na Ilha do Governador (zona norte). O cineasta tentou embarcar para o Piauí, onde encontraria sua mulher, que participava de um festival de cinema, mas não conseguiu.

O bombeiro Wagner Generoso, 26 anos, viu o acidente da janela de seu apartamento. Segundo ele, um carro fechou o veículo do cineasta, que tentou desviar mas bateu numa mureta, voou para outra pista e capotou.

"Saía muita fumaça, vazou gasolina, fiquei com medo que o carro explodisse", contou o bombeiro, que foi uma das primeiras pessoas a chegar ao local da batida.

"Achei que ele estava morto, mas depois percebi que ele respirava com dificuldade. Tentei falar com ele, disse que Jesus ia ajudar", afirmou Generoso. A ambulância dos bombeiros chegou em cinco minutos.

Segundo a assessoria de Fábio Barreto, o carro passou por perícia feita pela Polícia Civil e está na casa da família. O resultado da aviliação dos profissionais ainda não foi divulgado.

AE

Glória Pires e Fábio Barreto durante lançamento de "Lula, o filho do Brasil"

Filho de Luís Carlos Barreto e irmão de Bruno Barreto, também cineastas, Fábio iniciou sua carreira em 1977 e, desde então, já dirigiu 13 filmes. Seu trabalho mais recente é o longa "Lula - O Filho do Brasil", baseado no livro de Denise Paraná, que estreia em 1 o de janeiro em todo o País.

A produção causou críticas da oposição, que acusa a produção de ser uma peça de campanha para as eleições do ano que vem. Entre outros filmes dirigidos por Barreto está "O Quatrilho", indicado para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 1995.

Leia também:


Leia mais sobre: Fábio Barreto

    Leia tudo sobre: fabio barreto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG