Casamento de filha de Dilma atrai alto escalão da política

PORTO ALEGRE - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou às 20h30 à Igreja São José, na região central de Porto Alegre, para a celebração do casamento de Eduardo Covolo e Paula Rousseff Araújo, filha única da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff. Ao chegar na igreja, um pequeno grupo de pessoas vaiou o presidente.

Redação com agências |

Agência Estado
asasasasasas
Ministra chega ao casamento
Ele foi acompanhado da esposa, Marisa Letícia, e do ministro da Fazenda, Guido Mantega. Também estão presentes na igreja o presidente da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), a ministra do Turismo, Marta Suplicy, o ex-governador do Rio Grande do Sul Olívio Dutra (PT-RS), o governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), e a senadora Ideli Salvatti (PT-SC).

Questionada se a presença de tantos políticos seria uma forma de prestigiar Dilma, a senadora Ideli ressaltou que até a oposição, com seus ataques à ministra, acabam prestigiando-a, pois a colocam em evidência. "Imagine nós, que somos seus amigos e estamos aqui para comemorar uma data tão especial", disse Ideli. Roberto Requião, ao entrar na igreja, fez questão de declarar que está presente no casamento por ser amigo pessoal de Dilma.

Prestígio

Para prestigiar Dilma - alvo de tiroteio da oposição, que a acusa de ter montado um dossiê na Casa Civil -, o presidente Lula, nove ministros e nove governadores compareceram à cerimônia na Igreja São José.

No ambiente descontraído da festa para 600 convidados, na Associação Leopoldina Juvenil, o comentário mais freqüente era mesmo o dossiê.

Muitos convidados fizeram questão de mostrar solidariedade a Dilma que, apesar da turbulência política, ainda é a preferida de Lula para a sucessão presidencial de 2010.

Sem óculos, de longo azul, a ministra agradecia o carinho dos amigos. Hoje é um dia de muita felicidade, afirmava.

A líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC), era uma das maiores defensoras da ministra. Se a oposição ataca e coloca Dilma em evidência, nós, os amigos, estamos aqui para participar de um momento especial de sua família e vamos defendê-la, dizia Ideli.

Para a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), Dilma precisava desse desagravo público. Sou solidária à ministra e contrária à baixaria da qual ela tem sido vítima.

Já o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), afirmou que aquele era o dia de abraçar a amiga. Todo o Brasil sabe o papel estratégico que ela desempenha para o desenvolvimento do País.

Lula assistiu apenas à cerimônia religiosa. Não foi à festa porque embarcou para Acra (Gana). O presidente não quis conversar com os jornalistas. Deixa eu assistir o casamento primeiro, disse, ao chegar à igreja.

Mas assim que a comitiva do presidente chegou à igreja, às 20h25, os portões foram fechados, provocando protesto do público, que vaiou os seguranças na rua.


Leia mais sobre: Dilma

    Leia tudo sobre: dilmadilma roussef

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG