O muro da casa de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 24 anos, suspeito de matar o cartunista Glauco Villas Boas, de 53 anos, e o filho dele, Raoni, de 25 anos, foi pichado na noite de segunda-feira. Na parede, xingamentos como ¿assassino¿.

AE
Casa de Carlos Eduardo amanhece pichada em São Paulo

As pichações dizem ainda Cadu e Glauco em memória. A casa de classe média está localizada no bairro de Alto de Pinheiros, na zona oeste da capital paulista. Nela, o suspeito vivia com os avós paternos.

Carlos Eduardo está preso em uma cela isolada da delegacia da Polícia Federal desde o fim da noite de domingo e será ouvido nesta terça-feira pelo delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, da Delegacia Seccional de Osasco, que viajou para Foz do Iguaçu.

O jovem foi detido por volta das 23h na fronteira entre o Brasil e o Paraguai, quando tentava deixar o País. Ao ser abordado por policiais rodoviários federais, o estudante iniciou um tiroteio. Um agente ficou ferido no braço, mas passa bem.

Carlos Eduardo ficou três dias escondido em um matagal no pico do Jaraguá, na zona norte de São Paulo, enquanto planejava sua fuga. Para sair do País, roubou um carro.

Segundo informações da polícia, ele não recebeu visitas até o momento, comeu e dormiu normalmente.

Leia também:

  • Suspeito diz que arma apreendida é a que matou Glauco
  • Viúva contradiz versão dada por motorista de suspeito do crime
  • Sob clima de grande emoção, Glauco e filho são enterrados
  • Suspeito dizia que era Jesus Cristo, dizem amigos de Glauco
  • Após prestar depoimento, viúva deixa delegacia sem falar com a imprensa

    Leia mais sobre: Glauco


    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.