A Casa Civil rebateu, em nota, na noite desta quarta-feira, a acusação do governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), de que haveria descaso do governo federal frente a proposta de uma Parceria Público-Privada (PPP) para a ampliação do metrô de Belo Horizonte. O Governo Federal afirmou que tem investimentos previstos de R$ 131 milhões para as obras.

Nesta quarta-feira, Aécio afirmou que "o governo federal está devendo uma ação mais consistente em Minas Gerais" .

O governo mineiro afirma que quer ampliar a capacidade de transporte do metrô de 150 mil para 800 mil passageiros/dia, com investimentos estimados em cerca de R$ 3 bilhões.

"Apresentamos alternativas para que o governo federal pudesse ter a parceria tanto do Estado quanto do município, quanto do setor privado, através de uma Parceria Público Privada, que parece que isso não entusiasmou o governo federal, a própria Casa Civil", reclamou o governador. "Mas essa falta de entusiasmo não pode vir acompanhada do descaso a essa questão e da ausência de resposta", alfinetou.

Aécio é pré-candidato tucano à Presidência em 2010 e Dilma Rousseff, ministra da pasta, é apontada como virtual candidata do PT na disputa.

A Casa Civil afirma que construiu o metrô de Belo Horizonte e que, no orçamento de 2009, estão previstos R$ 66 milhões para a conclusão do trecho Eldorado-Vilarinho, e R$ 50 milhões para a vedação da faixa de domínio do trecho Barreiro-Calafate. Além disso, os projetos executivos das Linhas 2 e 3, orçados em R$ 15 milhões, estariam sendo bancados pelo governo federal.

O governo federal afirma, ainda, que, dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o Estado mineiro está sendo contemplado com investimentos que somam R$ 50,6 bilhões: R$ 42 bilhões até 2010, e R$ 8,6 bilhões pós-2010.

*Com informações da Agência Estado

Leia mais sobre: Aécio Neves  - Dilma Rousseff  - eleições

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.