Besouro , que dribla fórmulas e pode voar alto - Brasil - iG" /

Capoeirista inspira filme Besouro , que dribla fórmulas e pode voar alto

SÃO PAULO ¿ O filme brasileiro Besouro não parece um filme brasileiro. Não é comédia, não se passa em uma favela e não tem atores da Globo. E é bem esse avesso que pode fazer Besouro voar alto. Contra as fórmulas das produções nacionais, este é um filme de ação, com estreia prevista para 30 de outubro, criado com efeitos especiais nos moldes de sucessos de Hollywood, como Matrix, Kill Bill e O Tigre e o Dragão.

Agência Estado |

Divulgação

"Besouro" teve cenas de ação coreografadas pelo parceiro do astro chinês Jet Li

O protagonista Ailton Carmo, de 22 anos, não é ator, mas um capoeirista que interpreta a história de outro capoeirista, Besouro, que viveu na Bahia nos anos 1920 e, reza a lenda, teria poderes sobrenaturais contra fazendeiros escravagistas. Aílton encantou a produção pelo porte físico de atleta e a habilidade no gingado. "Todo capoeirista conhece a história de Besouro. Nas músicas cantadas nas rodas, é mencionado Besouro Mangangá", diz o estreante, que aprovou a experiência.

O fato de poder fazer um filme de ação contra a maré das comédias amorosas e longas de tragédias urbanas foi o que atraiu o renomado publicitário João Daniel Tikhomiroff, 41 anos. "Ao conhecer a história do capoeirista, me veio o estalo. Caramba, nunca vi isso em lugar nenhum, nunca tinha visto um filme brasileiro de super-herói, de ação", diz o diretor, que faz sua estreia no cinema.

Divulgação

Cartaz do filme já entrega: Besouro pode voar

Para dar credibilidade ao filme, que teve orçamento de R$ 10 milhões, a produção viajou à Tailândia, onde localizou um dos maiores nomes dos efeitos especiais da indústria. Ex-dublê e parceiro do ator chinês Jet Li, Huen Chiu Ku, conhecido como Dee Dee, foi chamado para coordenar as sequências de ação.

O personagem Besouro apareceu ao diretor por acaso, quando ele visitava um sebo de livros, há cinco anos. "Encontrei o livro 'Feijoada no Paraíso' (do escritor carioca Marco Carvalho) na última prateleira. Resolvi pegar, por mera curiosidade", diz. "Quando li, passou um filme na minha cabeça."

O filme se passa na década de 1920, com um Brasil ainda explorando a mão de obra negra. Os capoeiristas, nesse contexto, sofriam repressões violentas por adorarem entidades e orixás. "O povo dizia que ele virava besouro e saía voando. O mito surgiu porque esse negro sempre escapava dos cercos", diz o diretor.

O momento em que Besouro conhece seus poderes é narrado pelo ator Milton Gonçalves, que faz uma participação a convite do diretor. "É o anúncio para o mundo do nascimento de uma personagem maravilhosa", conta o ator, que gostou da ideia de um herói brasileiro e negro que desafia a física como o próprio inseto besouro ¿ que é pesado demais para voar, mas voa. "Temos tão poucos heróis no Brasil. Esse é único, não se parece com os que se vê na TV", diz Gonçalves.

Assista ao trailer de "Besouro":

Leia mais sobre: Besouro

    Leia tudo sobre: besourocinema brasileiro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG