Capital Mascate resume bem o charme de Omã Por Mônica Nóbrega* Mascate, 25 (AE) - As casas são brancas, simétricas e têm varandas como que rendadas. Equilibradas nas encostas abruptas e áridas das Montanhas Al Hajar, formam com a rocha um fotogênico contraste.

Tudo debruçado em um mar cristalinamente verde e habitado por uma população cordial e receptiva. Os sorridentes omanis são autênticos mercadores árabes, sempre dispostos a argumentar.

A capital Mascate resume com competência e charme boa parte do que Omã pode ser. Balneário para endinheirados e patrimônio cultural e arquitetônico. Entreposto de especiarias e incensos (o de mirra é o mais típico) e parada para cruzeiristas interessados em badulaques para provar que estiveram ali.

De táxi ou carro alugado, o caminho natural é pegar a estrada costeira, entre penhascos e fortes que mal se distinguem das montanhas de pedra. Mascate, ao sul do Porto de Mutrah, é a sede do poder nesta nação criada cinco séculos antes de Cristo. O sultão Qaboos bin Said comanda o país desde 1970, seis anos após a descoberta do petróleo. Debruçado na orla, seu palácio administrativo, diante de uma esplanada, é a foto-símbolo da capital.

Uma passada rápida no Museu Bait Al Zubair (baitalzubairmuseum.com) ajuda a entender dois ou três pontos da história local. Sabe o brasão que você clicou nos portões do palácio? O sabre representado neles é chamado de kandhjar e os homens do campo o usam preso ao cinto como prova de bravura, ensina o museu. O chapéu-cuia onipresente na indumentária masculina? O nome é kumma.

O café do museu vende miniporções do doce omani, o halwa. Gelatinoso, leva açúcar mascavo, açafrão, cardamomo e amêndoas. O sultão Qaboos compra o seu estoque na Barka Factory, 40 minutos a oeste do centro.

Outro endereço para provar mais delícias locais são os souks - passeios essenciais. No de Mutrah, o mais sortido, um homem serve café com cardamomo pelas vielas, em troca de moedinhas.

PRAIAS
Nos arredores da capital começam a surgir praias. Na mais deslumbrante está o Omã Dive Center (diveoman.com.om) com charmosas cabanas, por cerca de US$ 200 a diária. A entrada para passar o dia à beira-mar custa cerca de US$ 20. Adiante, dois dos hotéis mais luxuosos do país: Al Husn (www.shangri-la.com) e Al Bustan (www.ichotelsgroup.com), com diárias desde US$ 500.

Para ver paisagens que não estão no entorno da capital é necessário ficar mais tempo. As dunas Wahiba Sands são dos cenários desérticos mais belos do planeta.

* A repórter viajou a convite da Royal Caribbean

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.