O filme francês Entre les murs, de Laurent Cantet, venceu neste domingo por unanimidade a Palma de Ouro do 61º Festival de Cannes, anunciou o ator e diretor americano Sean Penn, presidente do júri.

Cantet ficou conhecido em 1999 com "Recursos Humanos" ("Ressources Humaines"), dolorosa crônica ambientada em uma fábrica em crise, antes de confirmar seu talento para o cinema com "A Agenda" ("L'emploi du temps", 2001) e "Em Direção ao Sul" ("Vers le sud", 2005), protagonizado por Charlotte Rampling.

Em seu quarto longa, adaptação do romance homônimo do jovem jornalista e professor François Bégaudeau, o diretor acompanha o cotidiano de um instituto de ensino misto de Paris, principalmente um professor de francês e seus alunos de 14 e 15 anos ao longo de um ano escolar.

O exterior da escola, a rua, só é mostrada por instantes no começo do filme quando o professor chega ao colégio no primeiro dia de aula. O restante da ação transcorre entre as quatro paredes do establecimento.

O diretor mantém em tensão constante o espectador, com sua forma de mostrar a relação intensa de todos os dias entre docentes submetidos a um desgaste permanente e adolescentes de todos as origens e cores, incansáveis, ternos, divertidos, violentos ao mesmo tempo. Em uma palavra, esgotantes.

Ao longo de um ano, Cantet trabalhou todas as quarta-feiras em oficina com alunos do instituto Françoise Dolto de Paris e pouco a pouco foi configurando o grupo que participou da rodagem, realizada com três câmaras que filmaram em plano muito próximo durante um verão de férias escolares.

O autor, François Bégaudeau, que recolheu em seu livro sua própria experiência docente, e que é um rosto conhecido na televisão por suas resenhas literárias e críticas de cinema, retoma com grande naturalidade seu próprio papel de professor apaixonado pelo trabalho, que se vê superado por algumas situações.

Em frente, esse apaixonante microcosmo que é a classe - todos os alunos são formidáveis -, reflete muito bem a realidade social francesa, multicolorida. "Tentamos evitar a ideologia, mostrar a escola tal como é, não como a queríamos", insistiu Cantet.

"Entre les murs" diverge, assim, dos filmes dedicados ao universo do ensino desde "A sociedade dos poetas mortos" a "Ça commence aujourd'hui" (Está começando hoje), de Bertrand Tavernier, passando pelo documentário "Être et Avoir", Ser e Ter de Nicolas Philibert.

O filme foi o último selecionado pela equipe de Thierry Frémaux, comentou à AFP o próprio diretor. "Tinham medo de que resultasse demasiado francês", disse Cantet. Agora, foi coroado pelo júri.

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.