Cannes homenageará cineastas Manoel de Oliveira e Martin Scorsese

Paris, 8 mai (EFE) - O diretor Manoel de Oliveira comemorará seu 100º aniversário no Festival de Cannes, dentro da seção oficial Cannes Classics, que também contará com a presença de Carlos Saura, Alejandro Jodorowsky, Martin Scorsese, entre outras grandes figuras da sétima arte, anunciaram hoje seus organizadores.

EFE |

Além de contar com a participação especial do quase centenário mestre português Manoel de Oliveira, convidado habitual do festival, a 5ª edição da mostra Cannes Classics terá obras do cineasta taiuanês Wong Kar Wai, outro membro da "família" cinematográfica do evento.

Em homenagem a Manoel de Oliveira ¿ que em dezembro completará 100 anos ¿, o festival exibirá seu primeiro filme, "Douro, Faina Fluvial" (1931), de 18 minutos. Já Wong Kar Wai terá exibida uma nova versão de seu clássico "Cinzas do Passado", de 1994.

Dentro desta seção de clássicos, será realizada uma evocação da edição de Cannes realizada em maio de 68, na qual o diretor espanhol Carlos Saura competia com "Peppermint Frappé", obra que estreará nesta cidade da Côte D'Azur com 40 anos de atraso.

Isto porque as agitações sociais da época, às quais se uniu o cineasta espanhol, forçaram o início prematuro do combate, justamente no dia em que estava programada a exibição de seu filme, forçando o encerramento do festival.

O filme de Saura, um dos que não puderam ser vistos em 1968, será finalmente exibido agora, em 2008.

Os outros filmes pré-selecionados dentro do 40º aniversário da data histórica são "13 jours en France", do francês Claude Lelouch; "Anna Karenine", do russo Aleksandr Zarkhi; "The long day's dying", do britânico Peter Collinson; e "24 heures de la vie d'une femme", de Dominique Delouche.

Entre as cópias novas ou restauradas, a Cannes Classics convidará Alejandro Jodorowsky, que reestreiará "Santa Sangre" (1989).

A lista inclui outros oito filmes, entre eles "Guide" (1965), do diretor indiano Vijay Anand; "Let's get lost" (1988), do americano Bruce Weber; "Orfeu" (1949), do francês Jean Cocteau; e "Lola Montès" (1955), do alemão Marcel Ophuls.

Este último, "inspirado na escandalosa vida da condessa de Landsfeld, mais conhecida como Lola Montès", será o "acontecimento" da seção, ressaltaram os organizadores, pois a estréia de sua versão original restaurada abrirá a seção, e será uma homenagem a seu diretor, falecido em 1957.

Por outro lado, dentro da seção dedicada a documentários e filmes sobre o cinema, estreará "No subtitles necessary: Laszlo & Vilmos", no qual James Cressanthis explora a vida e trajetória dos dois diretores de fotografia de origem húngara que tanto contribuíram com o cinema hollywoodiano no século XX.

Por ocasião do centenário do nascimento de David Lean (1908-1991), serão exibidos "The Passionate Friends" (1949); "This happy Breed" (1944); e "Il etait une fois... Laurence d'Arabie" (2008), de Anne Kunvari.

Além disso, pelo segundo ano consecutivo, voltará a Cannes a World Cinema Foundation, presidida pelo cineasta americano Martin Scorsese, e que tem o objetivo de ajudar os países em vias de desenvolvimento a garantir seus tesouros cinematográficos.

Em 2008, serão apresentados ao público os filmes "Suzuz Yaz" (1964), do diretor turco Metin Erksan, apresentado por Fatih Akin; "Hanyo" (1960), do coreano Kim Ki-young, e "Touki Bouki" (1973), do senegalês Djibril Diop Mambéty.

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Leia tudo sobre: festival de cannes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG