CANNES, 15 MAI (ANSA) - Todos os anos, semanas antes do início do Festival de Cannes, acontece uma verdadeira guerra entre os setores de relações públicas das grandes grifes internacionais, que brigam para vestir as celebridades mais importantes no evento.

Assim como o Oscar, o Festival de Cannes funciona como uma verdadeira vitrine para estilistas, sendo considerado um investimento publicitário.

A moda sempre caminhou junto com o cinema e para as marcas vale mais uma foto de uma celebridade vestindo sua criação no tapete vermelho do que a atenção provocada por um desfile. 

Para garantir visibilidade, as grifes investem alto, reservando hotéis, distribuindo brindes e organizando festas e jantares.

Somente a joalheria Chopard, um dos principais patrocinadores do festival, reservou 800 quartos de hotel para o Festival deste ano, sendo que há 11 anos eram somente cinco os quartos que a grife colocava a disposição de celebridades.

No Hotel Martinez, ponto de encontro do mundo da moda e do cinema, estão as suítes de Versace, Armani, Fendi, Cavalli, Chanel, Louis Vuitton, Jimmy Choo, Swaroskwi e Prada. São quartos alugados para funcionar como ateliê das grifes e muitos são decorados com móveis e acessórios da marca em questão, para torná-los ainda mais exclusivos.

"São estilistas demais aqui em Cannes e pouquíssimas estrelas. Mais que um serviço de moda, tornou-se uma guerra", declarou um assessor de relações públicas, que preferiu não se identificar. (ANSA)

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.