obscuro de Lucrecia Martel gera vaias - Brasil - iG" /

Cannes: filme obscuro de Lucrecia Martel gera vaias

CANNES, 21 MAI (ANSA) - Um público dividido, entre vaias e alguns aplausos, foi o que a cineasta argentina Lucrecia Martel viu nesta quarta-feira em Cannes, após a projeção de seu filme A Mulher sem Cabeça (La Mujer Sin Cabeza).

Agência Ansa |

"Posso compreender que um filme assim seja amado e odiado", diz a própria diretora, admitindo com naturalidade a atmosfera rarefeita e instável de sua nova produção, que concorre à Palma de Ouro na 61ª edição do festival francês.

Lucrecia Martel conta a história ¿ quase subjetivamente ¿ de Verônica, uma mulher adulta (interpretada por Maria Onetto) que, certo dia, tem a impressão de ter atropelado algo durante um momento de distração ao volante. Um cachorro, uma pessoa? Nem a diretora sabe, mas o fato é que a vida da personagem muda totalmente a partir de então.

Verônica quase não reconhece mais sua família e amigos e passa a viver em seu mundo, assolada pela obsessão de talvez ter matado alguém, mesmo sem ter conhecimento da existência de um cadáver. Lucrecia explica que "não é uma metáfora para a ditadura argentina", como se especulou, e garante que não pretendia imitar o italiano Michelangelo Antonioni, mestre em transpor à tela os incômodos existenciais.

"Verônica sofre um processo exatamente contrário àquele da educação. Como diz a medicina popular do norte do meu país, depois de um fato traumático, é como se a alma se destacasse do corpo para proteger a própria pessoa. E por isso a percepção das coisas passa a ser nova, virgem", explica.

Leia mais sobre: Festival de Cannes

    Leia tudo sobre: festival de cannes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG