BRASÍLIA - A disputa pela Presidência da Câmara e pelos demais cargos da Mesa Diretora da Casa mobiliza os deputados neste fim de recesso parlamentar, que termina no próximo sábado (31). Na segunda-feira (2), a partir das 12h, no plenário, os 513 deputados elegem os novos dirigentes da Casa para os próximos dois anos.

Os quatro candidatos à presidência ¿ Michel Temer (PMDB-SP), Ciro Nogueira (PP-PI), Aldo Rebelo (PcdoB-SP) e Osmar Serraglio (PMDB-PR) ¿ estão em Brasília, onde ficam até o dia da eleição, refazendo os contatos com os colegas em busca dos votos necessários para serem eleitos.

Formalmente, Michel Temer conta com o apoio de 14 partidos, que, somando suas bancadas, daria mais de 430 votos. No entanto, como a votação é secreta, não é possível prever quantos desses votos serão dados a Temer. A coordenação de campanha do peemedebista, no entanto, estima esses votos em mais de 300.

Mesmo sabendo do apoio formal de 14 partidos a Temer, os demais candidatos contam com os votos de deputados dessas legendas, pois o voto é do parlamentar e nenhuma das siglas fechou questão em torno de qualquer nome.

Nesta quarta-feira (28), no inicio da tarde, os 14 partidos que apóiam Temer vão oficializar a formação de um bloco partidário para a disputa da Mesa da Casa e também para as presidências das comissões técnicas. Esse bloco, pelo seu tamanho, terá direito a dez dos 11 cargos da Mesa.

Para ser eleito presidente da Câmara ou para os demais cargos da Mesa, em primeiro escrutínio, o candidato precisará da maioria absoluta dos votos válidos, ou seja, metade mais um dos votantes. Por exemplo: se votarem 500 deputados, para ser eleito, o candidato precisará de nominimo 251 votos. Se nenhum deles conseguir esse placar, a decisão será em segunda votação, por maioria simples de votos.

Na segunda-feira, a Câmara realizará, às 10h, sessão preparatória para a eleição. Nessa sessão, os quatro candidatos à presidência farão discursos, com duração de até 20 minutos, para expor suas propostas. As sessões preparatória e a da eleição serão conduzidas pelo atual presidente da Casa, Arlindo Chinaglia (PT-SP).

Pelas regras da eleição, os partidos têm até às 12 horas de domingo (1º) para a formação de blocos partidários, que podem servir de base para a distribuição de cargos. Também no domingo, às 16h, haverá reunião de líderes para a escolha dos cargos da Mesa Diretora. O prazo para registro de chapas ou de candidaturas avulsas termina à meia-noite de domingo.

A votação para a Presidência da Câmara e para os demais cargos da Mesa Diretora será feita em nove urnas eletrônicas, que foram desenvolvidas pelo Centro de Informática da Casa. Os deputados devem votar nos 11 cargos da Mesa, em uma única votação, em primeiro escrutínio. No entanto, a apuração será em dois momentos: primeiro, os votos para os candidatos à Presidência. Eleito o novo presidente, ele assume o cargo e comanda a apuração dos votos para os demais cargos da Mesa Diretora.

Leia também:

Leia mais sobre: eleições no Congresso

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.