Câncer nos testículos é altamente curável

Câncer nos testículos é altamente curável Por Lola Felix São Paulo, 17 (AE) - Além de ser relativamente raro - a incidência é de três a cinco casos para cada grupo de 100 mil indivíduos - o câncer de testículo tem a característica de ser mais comum em pessoas jovens, de 15 a 50 anos de idade, segundo informações do Instituto Brasileiro de Controle de Câncer (Inca). Também segundo o Inca, quando comparado ao câncer de próstata, o de testículo tem baixo índice de mortalidade.

Agência Estado |

O problema é facilmente curado se detectado no início.

"Nem todos os aumentos da bolsa escrotal são malignos", diz Sidney Glina, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU). O volume anormal, principal sintoma do câncer de testículo, está presente em outras alterações escrotais como cistos, abscessos, hidrocele (acúmulo de líquidos), hérnia e varicocele (varizes). Os abscessos, por exemplo, às vezes drenam espontaneamente. "No entanto, algumas destas alterações podem precisar de intervenção cirúrgica", explica o urologista Luciano Alves Favorito, secretário-geral da SBU.

Favorito explica que essas alterações podem afetar não apenas o testículo, mas também o epidídimo - órgão que armazena e transporta os espermatozóides, localizado atrás do testículo. "Mas tanto os cistos e tumores sólidos são bastante raros", diz ele.

De acordo com Favorito, pessoas entre a segunda e a quarta década de vida acabam tendo mais tumores malignos. "A boa notícia é que ele é altamente curável", diz Glina. O tratamento pode ser feito com quimioterapia, radioterapia e com orquiectomia (retirada do testículo), dependendo do grau em que se encontra a doença.

Boa parte dos homens acaba descobrindo o problema no início. Geralmente, o paciente procura o médico com a queixa. "O homem costuma manipular o corpo mais do que a mulher e, com isto, tem mais possibilidade de descobrir alterações", diz Glina, que recomenda que os homens fiquem atentos a mudanças nos testículos, como aumento ou o aparecimento de caroços neles.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG