Caminhoneiros entram com ação contra rodízio nesta terça-feira

São Paulo - A NTC logísitica, empresa representante do setor de cargas brasileiro, afirma que moverá, nesta terça-feira (29), uma nova ação contra o rodízio de caminhões na cidade de São Paulo. A restrição, instituída por decreto pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM), entrou em vigor nesta segunda-feira (28).

Lívia Machado, do Último Segundo |


O caso está em debate desde sexta-feira (25), data em que a Justiça paulista negou mandado de segurança coletivo pedido pela entidade para liberar seus associados de cumprir o decreto nº 49.800. Nele, está previsto a ampliação do rodízio de veículos municipal para caminhões no minianel viário da capital paulista.

O mandado de segurança coletivo teve como objetivo suspender a proibição da circulação de caminhões de propriedade das empresas associadas à NTC&Logística nas vias do centro expandido da cidade de São Paulo. O recurso solicitou ainda, que fosse vedada a imposição de multas.

A NTC logística possui 3.500 empresas associadas que cortam, diariamente, a cidade de São Paulo para entrega de cargas. Segundo informação da assessoria de imprensa da entidade, a medida do Governo é arbitrária e afetará não apenas o setor empresarial, como também o bolso do consumidor.

Trânsito abaixo da média

No primeiro dia em que os caminhões foram incluídos no rodízio, a cidade de São Paulo registrou melhora no trânsito. Às 11 horas, a cidade acumulava 27 km de lentidão, o correspondente a 3,2% dos 835 km monitorados pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). A média para o horário é de 9,7%. Nesta semana, a cidade enfrenta outro agravante, a volta às aulas.  

A restrição aos caminhões seguirá o mesmo horário (das 7h às 10h e das 17h às 20h) e critério do rodízio de carros (o final da placa). Caminhões com placas com final 1 e 2 ficam proibidos de rodar às segundas-feiras; 3 e 4, às terças; 5 e 6, às quartas; 7 e 8, às quintas e 9 e zero, às sextas. Quem descumprir o rodízio pagará multa de R$ 85,13.

Patrícia Santos/AE
Rodízio em SP
Blitz fiscaliza trânsito de caminhões
A proibição vale nas seguintes vias: Marginal do Rio Tietê, entre a Avenida Salim Farah Maluf e Marginal do Rio Pinheiros; Marginal Pinheiros, da Marginal Tietê até a Avenida dos Bandeirantes; e Avenida Professor Luís Ignácio de Anhaia Melo, entre o Viaduto Grande São Paulo e a Avenida Salim Farah Maluf. Vigora ainda em toda a extensão da Bandeirantes, Avenida Afonso D'Escragnole Taunay, Complexo Viário Maria Maluf, Avenida Presidente Tancredo Neves, Rua das Juntas Provisórias, Viaduto Grande São Paulo e Salim Farah Maluf.

Estão liberados do rodízio caminhões do Corpo de Bombeiros, de coleta de lixo, guinchos, alimentos perecíveis, serviços públicos essenciais e dos Correios.

Em blitz de fiscalização realizada na Marginal Tietê por agentes da CET e policiais, o secretário de Transportes, Alexandre Moraes, que acompanhou a blitz junto com o prefeito Gilberto Kassab, afirmou que a expectativa é tirar diariamente 24 mil caminhões das ruas, causando uma melhora de 5% a 7% no trânsito.

Kassab disse que, apesar de alguns caminhoneiros terem afirmado que foram pegos de surpresa pelo rodízio porque vieram de outros Estados, houve um trabalho de divulgação da nova medida. Há diversas faixas na entrada da cidade. Quem passa poderia perceber. Não é sacrifício, uma vez por semana, as pessoas se programarem para respeitarem a legislação, afirmou Kassab.

Esta foi a reclamação do caminhoneiro Damião Francisco dos Santos, de 31 anos, que chegou no domingo, durante a noite, à capital paulista vindo de Salgueiro, em Pernambuco, e afirmou que não tinha conhecimento da medida. Saí cedo, descarreguei o caminhão e agora que ia voltar para casa fui abordado pela CET, disse.

(Com informações de Lectícia Maggi, do Último Segundo)

Leia também:

Leia mais sobre: caminhões

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG