Camex aprova garantia para vender mísseis ao Paquistão

A Câmara de Comércio Exterior (Camex) aprovou hoje as garantias da União para o fornecimento de 100 mísseis pela empresa Mectron para o governo do Paquistão. Segundo o ministro da Defesa, Nelson Jobim, o contrato entre a Mectron, o governo paquistanês e a Força Aérea Brasileira (FAB) foi assinado em abril deste ano e dependia de aprovação de garantia do governo para a operação.

Agência Estado |

Jobim informou que a Mectron receberá por essa exportação 85 milhões de euros. O ministro explicou que é um contrato importante, porque a Mectron aumentará sua capacidade de produção de um míssil para cinco mísseis por mês. "O que vai quintuplicar a capacidade da empresa em matéria de mão-de-obra e de qualificação", disse Jobim.

O ministro disse que a Mectron é uma empresa pequena, de alta tecnologia, formada por cinco engenheiros do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), mas tem o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) como sócio. Jobim explicou que os mísseis são de anti-radiação, que são acoplados em aviões para identificar a origem de radares e têm a possibilidade de destruí-los. "Funciona como um monitoramento muito eficaz do espaço e da terra", disse o ministro. Jobim esclareceu que, embora haja suspeitas de que os atos terroristas na Índia tenham sido praticados por terroristas paquistaneses, o negócio é com o governo paquistanês. "Se cancelássemos o negócio, estaríamos atribuindo ao governo do Paquistão atividades terroristas", explicou.

A aprovação da garantia, dentro do Comitê de Financiamento e Garantia das Exportações (Cofig), foi o único item da pauta da reunião extraordinária de hoje da Camex. Jobim não quis confirmar se haverá mudanças na presidência da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), conforme publicado hoje nos jornais. "O que nós estamos trabalhando é na reestruturação da empresa", disse o ministro, lembrando que já foi assinado um contrato com o BNDES para reestruturação e modernização da Infraero.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG