BRASÍLIA - A construtora Camargo Corrêa doou, em 2008, o montante de R$ 1,955 milhão a campanhas políticas nas eleições municipais. De acordo com as prestações de contas disponibilizados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 38 candidatos, distribuídos em oito partidos, foram beneficiados com doações que variam de R$ 3 mil a R$ 300 mil. A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo foi citada pela Justiça no repasse de verbas, http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/03/26/fiesp+nega+envolvimento+com+repasse+de+verba+a+partidos+5106903.html target=_topmas negou qualquer participação.

Futura Press
Agente chega à sede da Polícia Federal
Nesta quarta-feira, a Polícia Federal prendeu dez pessoas , entre eles quatro diretores da Camargo Corrêa, supostamente envolvidas em esquema de lavagem de dinheiro, fraude em licitações, formação de quadrilha e evasão de divisas, além de possíveis doações ilícitas a campanhas eleitorais.

Das doações declaradas ao TSE, a maioria dos candidatos que receberam doações da construtora é do Estado de São Paulo. Ao todo, treze receberam recursos da empresa, num total de R$ 540 mil.

Doações para concorrentes

A maior doação da Camargo Corrêa nas eleições do ano passado, de R$ 500 mil, foi feita para a campanha à prefeitura de Curitiba de Gleisi Hoffmann (PT), esposa do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo. Ela perdeu a disputa para o tucano Beto Richa, candidato que recebeu a segunda maior fatia do total de doações da construtora: R$ 300 mil.

Entre os partidos, o PT foi o que mais recebeu doações da construtora. Foram R$ 830 mil a nove candidatos da legenda, seguida do Partido da República (PR), com R$ 372 mil, e, então, o PSDB, com R$ 358 mil.

Assista abaixo ao vídeo sobre a operação:

Leia também:


Leia mais sobre: Operações da PF

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.