A Câmara Legislativa do Distrito Federal já recebeu quatro pedidos de impeachment contra o governador José Roberto Arruda (DEM). Arruda é acusado, em inquérito da Operação Caixa de Pandora, de comandar um esquema de recebimento e distribuição de propina.

Os pedidos de impeachment precisam ser confirmados pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Legislativa e depois receber o aval de 16 dos 24 deputados distritais para serem confirmados.

Esta manhã foram dois novos pedidos: um protocolado pelo PSOL e outro pela Ordem dos Ministros Evangélicos do Gama. Ontem, outros dois foram apresentados pelos advogados Evilásio Viana dos Santos e Anderson Siqueira. O governador José Roberto Arruda ainda pode ser alvo de outras duas propostas de impeachment. Uma patrocinada pelo PT do Distrito Federal e outra pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Oração

Na chegada à Câmara Legislativa, esta manhã, a delegação do PSOL protestou contra as denúncias de corrupção no governo do Distrito Federal realizando uma "antioração", como definiu o deputado federal Chico Alencar (RJ), em referência ao vídeo anexado ao inquérito da Operação Caixa de Pandora, no qual os deputados Rubens César Brunelli Júnior (PSC) e Leonardo Prudente (DEM) aparecerem rezando após fazer a partilha do dinheiro arrecadado no esquema.

"Financiador nosso que estais na terra, santificado seja o teu negócio, venha a nós o seu dinheiro, seja feita a vossa vontade, tanto no público como no privado. A propina nossa de cada dia nos dai hoje, perdoai os nossos desfalques, assim como nós perdoamos os que mal versaram antes de nós. E não nos deixais cair na tentação da honestidade, mas livrai-nos do flagrante ou da verdade. Que assim não seja", diz a "antioração".

"O presidente Lula disse ontem que as imagens não dizem por si, mas eu, como oposição, digo: elas não falam por si, elas gritam por si. Elas são completamente retumbantes. Não há prova mais contundente", criticou Chico Alencar.

O outro pedido de impeachment, também registrado esta manhã, é assinado pelo Pastor Oséas Rodrigues, presidente da Ordem dos Ministros. "A nossa preocupação como evangélico é a corrupção do governador, mas também o fato de terem sido mencionados vídeos de parlamentares evangélicos fazendo orações. Nós não compactuamos com isto que está acontecendo, e não falo só dos evangélicos. Nossa crítica sai da esfera religiosa. Todos os parlamentares envolvidos, católicos, espíritas, todos devem ser investigados", disse Rodrigues.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.