A Câmara de Sorocaba, a 92 km de São Paulo, quer impedir que o lixo produzido em outras cidades seja depositado em áreas do município. O projeto, que deve entrar em votação este mês, estende a proibição aos resíduos de origem estrangeira.

De acordo com o vereador José Crespo (DEM), autor da proposta, um dos alvos da lei é o projeto de instalação de um aterro sanitário no bairro Brigadeiro Tobias, zona leste da cidade. O pedido de licença prévia para a obra está no Departamento de Análise de Impacto Ambiental (Daia), órgão da Secretaria Estadual do Meio Ambiente.

O local, segundo o vereador, servirá como depósito para o lixo de municípios da Grande São Paulo. "Não é justo que essas cidades se beneficiem com os empregos e tributos gerados pelas atividades econômicas e mandem o lixo delas para o interior do Estado."

Crespo entrou com representação no Ministério Público Estadual contra o aterro, por entender que o Plano Diretor do município define a área como de mananciais. "Ela faz parte da bacia do Pirajibu-Mirim e está inserida numa área definida pelo Código Florestal Brasileiro como de proteção permanente."

Crespo pede ao MPE que investigue as licenças já concedidas para a obra. Sobre a nova lei, o vereador informou que, se aprovada, ela não atingirá empresas que demonstrem capacidade tecnológica para processar integralmente os resíduos importados, sem danos ao ambiente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.