BRASÍLIA - Quase seis meses após a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que cassou o mandato do deputado Walter Brito Neto (PRB-PB) por infidelidade partidária, uma manobra regimental conduzida pela Mesa Diretora da Câmara garantiu ao parlamentar ainda mais tempo para se defender.

Designado para dar parecer sobre a decisão do TSE, o corregedor-geral da Casa, deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE), decidiu na última quinta-feira, juntamente com os demais integrantes da Mesa, remeter o caso para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Leia tudo no Congresso em Foco

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.