Câmara anula decisão sobre planos de Saúde e adicional para servidores

BRASÍLIA - A Mesa-Diretora da Câmara anulou nesta terça-feira a decisão tomada no último dia 7 em relação à extensão do plano de Saúde para servidores comissionados e também ao adicional de especialização.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

A anulação foi motivada por uma série de críticas feitas por servidores concursados, uma vez que o Pró-Saúde, plano atual, administrado pela Caixa, seria substituído por um particular, provavelmente da Amil.

A decisão da Mesa, do dia 7, determinava que caberia ao sindicato dos servidores do Legislativo (Sindilegis) gerir o plano de saúde dos funcionários da Casa.

Além dos cerca de 15 mil beneficiados com o Pró-Saúde, outros 12 mil servidores comissionados seriam levados para o novo plano. O Último Segundo noticiou em primeira mão que na reunião da Mesa do dia sete um representante da Amil fez lobby junto aos deputados e teria sido identificado somente como assessor do presidente do Sindilegis, Magno Mello.

Caso o acordo fosse fechado, a Câmara, a título de ajuda de custo aos servidores, gastaria cerca de R$ 43 milhões com o plano. Ou seja, a Amil receberia recursos públicos sem licitação, uma vez que a escolha da operadora caberia ao Sindilegis.

Em relação ao adicional de especialização, as críticas vieram por parte da sociedade, uma vez que servidores que ocupam cargos de chefia, também receberiam o benefício, independente de sua formação.

Em nota, a Mesa diz que o problema do adicional de especialização, que custaria R$ 4 milhões ao mês para os cofres públicos, se deu por causa de uma eventual necessidade de pagamento retroativo a 2007.

Sindilegis

Nesta tarde os servidores ligados ao Sindilegis se reúnem em assembleia e vão tomar uma posição oficial da categoria em relação ao plano de saúde dos servidores.

A expectativa é que a maioria dos funcionários opte por continuar com o Pró-Saúde e rechace a proposta de migrar para a Amil, feita unilateralmente e entregue à Mesa pelo presidente do Sindicato, Magno Mello.

Os servidores ainda devem encaminhar à Mesa Diretora uma proposta para que os servidores comissionados (que ingressaram na função sem concurso público) também possam optar pelo Pró-Saúde.

Leia mais sobre: plano de saúde

    Leia tudo sobre: câmaraplano de saúde

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG