SÃO PAULO - Em dias quentes, em que os termômetros ultrapassam a casa dos 24 graus, o risco de morte por enfarte agudo do miocárdio aumenta 11% na capital, atesta pesquisa realizada pela Sociedade Paulista de Cardiologia (Socesp).

Para chegar ao resultado, os pesquisadores analisaram 12.007 casos de vítimas fatais de pane do coração. O impacto direto das altas temperaturas em um dos órgãos mais importantes do corpo humano foi medido por meio do cruzamento de três bancos de dados.

A Prefeitura de São Paulo forneceu dados sobre morte por enfarte; na Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) foi obtido o índice de concentração de poluentes; e um terceiro dado sobre a temperatura média diária teve como base as medições pelo Instituto de Geofísica da Universidade de São Paulo.

Entre 20 e 21 graus foi obtida a menor taxa de enfarte, afirma um dos autores do estudo, Luiz Antônio César, vice-presidente da Socesp e médico do Incor. A medida que a temperatura aumentou, o risco de problemas também cresceu, atingindo um acréscimo de 11% na escala entre 23,8 e 28 graus, completa.

Nesta segunda-feira, informa o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os paulistanos enfrentaram mais um dia em que a condição climática foi arriscada ao coração. A média diária ficou em 33,3 graus.

A explicação para o calor influenciar no risco de problemas cardiovasculares é que o suor em excesso promove a concentração de colesterol, queda da pressão e deixa o sangue mais denso, condições ideais para o enfarte e derrame.

Conclusões semelhantes estão em outro estudo brasileiro, publicado na Revista de Saúde Pública , feito com 7 mil pacientes que chegaram aos prontos-socorros em 1993. Foi concluído que 4,9% das internações anuais por enfartes e 2,8% das de derrame são devido à alta temperatura.

Um relatório publicado em 2005 pelo Centers for Disease Control and Prevention (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), entidade norte-americana, apontou que entre 1979 a 2002, 4.780 mortes foram atribuídas à exposição ao calor extremo.

Idosos

Não é apenas o coração o único que adoece em dias bem quentes. Paulo Olzon, clínico geral da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), lembra que os efeitos na saúde são vários e que algumas pessoas, em especial os idosos, podem até mesmo morrer de calor.

Um diagnóstico que quase não é feito no Brasil, mas que existe. É a hipertermia, quando o corpo não consegue eliminar o calor, situação muito comum de ser relatada em países da Europa e nos EUA. As informações são do Jornal da Tarde .

Leia mais sobre: calor

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.