O número de casos suspeitos de influenza A (H1N1), a chamada gripe suína, no Brasil caiu de 38 para 35, informou hoje o Ministério da Saúde. O número de casos confirmados permanece inalterado, com oito pessoas infectadas nos Estados do Rio de Janeiro (3), São Paulo (2), Minas Gerais (1), Rio Grande do Sul (1) e Santa Catarina (1).

Em nota, a pasta informou ainda que 25 casos estão sendo monitorados em sete Estados e no Distrito Federal. Outros 232 foram descartados.

De acordo com o ministério, os casos suspeitos estão nos Estados de Minas Gerais (8), Rio de Janeiro (6), São Paulo (5), Pernambuco (4), Distrito Federal (2), Goiás (2), Rio Grande Do Sul (2), Alagoas (1), Ceará (1), Pará (1), Paraná (1), Piauí (1) e Rondônia (1). Ontem, foram descartados mais 33 casos que tiveram exames laboratoriais com resultado negativo. Até o momento, foram processadas 324 amostras, com 316 resultados negativos (97,5%). Os testes foram realizados nos três laboratórios de referência do Ministério da Saúde: Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro; Instituto Adolf Lutz, em São Paulo; e Instituto Evandro Chagas, em Belém, no Pará.

Pelos dados, o ministério considera que "não há evidências de sustentabilidade da transmissão de pessoa a pessoa do vírus A (H1N1), tendo em vista ter sido detectado somente dois casos de transmissão autóctone (dentro do território nacional), ambos com vínculo epidemiológico com o caso índice procedente do México". Desse modo, até o momento, os Estados brasileiros com casos confirmados não devem ser considerados como áreas afetadas.

Ainda segundo o comunicado, até hoje, nove países apresentam transmissão autóctone, mas apenas três de forma sustentada: Estados Unidos (4.298 casos), México (2.656) e Canadá (449). Os outros países com transmissão autóctone não sustentada são Reino Unido (41 casos), Espanha (22), Panamá (10), Alemanha (2), Brasil (2) e Itália (1).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.