As audiências públicas que serão realizadas com os ministros Dilma Rousseff, da Casa Civil, e Edison Lobão, de Minas e Energia, e outros 18 técnicos e autoridades, para investigar as causas do apagão que atingiu 18 Estados na noite da terça-feira passada, serão realizadas em conjunto entre as comissões de Infraestrutura (CI) e Assuntos Econômicos (CAE). As reuniões, aprovadas ontem pela CI, foram estendidas à CAE após a aprovação, hoje, a um requerimento dos senadores Delcídio Amaral (PT-MS) e Eduardo Suplicy (PT-SP).

Amaral - hoje presidindo a CAE no lugar do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), que está em viagem oficial fora do País - conseguiu evitar, durante a votação, que a oposição aprovasse um outro requerimento que convidaria apenas os ministros Lobão e Dilma Rousseff para uma audiência pública sobre o apagão. Amaral adiou a votação até que mais senadores governistas chegassem à reunião e formassem maioria para rejeitar o documento.

A oposição criticou a manobra da base aliada e disse que o governo está "colocando a questão do apagão debaixo do tapete", nas palavras do líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN). A intenção da oposição era colocar Dilma e Lobão para falarem sozinhos aos senadores, sem o apoio de técnicos do setor.

"O líder do governo ofereceu a sugestão de ouvir os técnicos para fazer blindagem política ao problema. Não se fala mais em apagão, como diz o Lobão. Vamos trazer multidão, fazer um comício com informações técnicas que têm que ser produzidas por equipe técnica isenta e ouvir as posições políticas do governo", disse o senador potiguar.

A primeira audiência pública conjunta entre a CAE e a CI deve ocorrer na quinta-feira da próxima semana, com a presença de Nelson Hubner, diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Hermes Chipp, diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), e Maurício Tolmasquim, presidente da Empresa de Planejamento em Energia.

Em um segundo momento, participariam das reuniões os ministros Edison Lobão, de Minas e Energia, e Dilma Rousseff, da Casa Civil. Como convidados, caberá aos ministros decidirem se participarão das audiências e quando o farão.

Também foram convidados para falar à Comissão de Infraestrutura: Márcio Zimmermann, secretário-executivo do ministério de Minas e Energia, José Antônio Muniz Lopes, presidente da Eletrobrás, Carlos Nadalutti Filho, presidente de Furnas, Jorge Miguel Samek, diretor-geral brasileiro de Itaipu, ministro Ubiratan Aguiar, presidente do Tribunal de Contas da União (TCU), entre outros. As datas das audiências, no entanto, ainda não foram agendas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.