Cabral anuncia UPP no Alemão até primeiro semestre de 2011

Cabral anuncia UPP no Alemão até primeiro semestre de 2011

Reuters |

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Homens da polícia e do Exército vão permanecer no Complexo do Alemão até a instalação de uma Unidade de Polícia Pacificadora no conjunto de favelas no primeiro semestre do ano que vem, afirmou o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, nesta segunda-feira.

"No primeiro semestre de 2011 teremos uma UPP no Complexo do Alemão e na Vila Cruzeiro. As reconquistas dos territórios já foram efetivadas, e agora são os passos seguintes", disse Cabral a jornalistas, referindo-se também à favela vizinha que foi tomada pela polícia na semana passada.

As UPPS são consideradas o maior avanço na área de segurança pública do Rio nos últimos anos. A implantação de um quartel policial dentro das favelas, provocando a saída de chefes do tráfico dos locais onde esse tipo de policiamento é instaurado, foi inclusive citada pelo Comitê Olímpico Internacional como um exemplo de que a cidade será segura para a Olimpíada de 2016.

Na terça-feira, o governo do Rio vai inaugurar a 13a UPP entre as centenas de favelas espalhadas pela cidade, no Morro dos Macacos, também na zona norte.

Um dia após a ocupação policial da região que era um dos principais redutos de criminosos da capital fluminense, cerca de 800 soldados do Exército mantém nesta segunda um cerco ao Alemão, revistando rigorosamente pessoas e veículos que deixam a comunidade na zona norte do Rio.

De acordo com o governador, o Exército vai permanecer ocupando os perímetros do conjunto de favelas do Alemão até que seja instaurada a unidade policial dentro do complexo.

"As forças do Exército vão ajudar até a chegada da UPP, faltam apenas detalhes a serem acordados entre o Ministério da Defesa e a Secretaria de Segurança Pública", afirmou.

Policiais militares e civis, que no domingo ocuparam o Alemão com a ajuda de veículos blindados da Marinha e fuzileiros navais, continuaram no conjunto de favelas em busca dos criminosos que não foram presos no primeiro dia de ação.

A polícia acredita que centenas de envolvidos com o tráfico de drogas estão escondidos entre os cerca de 100 mil moradores do conjunto de favelas.

De acordo com balanço da PM apresentado nesta segunda, 30 suspeitos foram presos, incluindo supostos altos líderes do tráfico de drogas na comunidade. Um homem condenado pela participação na morte do jornalista Tim Lopes no Alemão em 2002 também foi preso, em casa, desarmado.

Mais de cem armas foram apreendidas, incluindo 27 fuzis, duas metralhadoras .30 e uma .50, e ao menos 21 toneladas de drogas foram localizadas. Apenas um suspeito morreu em troca de tiros com os policiais, informou a PM.

A ocupação do Complexo do Alemão foi uma resposta das forças de segurança a uma onda de ataques a veículos e alvos policiais realizada na semana passada pela facção criminosa que tinha uma fortaleza no conjunto de favelas. Mais de 100 carros e ônibus foram incendiados em diferentes pontos da cidade.

A reação da polícia aos ataques resultou na morte de ao menos 45 suspeitos em confrontos, além de uma jovem de 14 anos vítima de bala perdida. Mais de 100 suspeitos ligados ao tráfico de drogas foram presos em diversas ações ao longo da última semana.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier e Sérgio Moraes; Texto de Pedro Fonseca)

    Leia tudo sobre: BRAZILVIOLENCIARIOUPPALEMAO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG