Busca e apreensão contra Protógenes não são perseguição, diz Tarso

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Tarso Genro, disse nesta quinta-feira que o mandato de busca e apreensão cumprido pela Polícia Federal nos endereços do delegado da corporação, Protógenes Queiroz, antigo responsável pela Satiagraha, não foi uma perseguição. O ministro ainda destacou que, caso nada seja encontrado sobre um suposto vazamento de informações, isso será demonstrado.

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

"Isso é fantasia que tem perseguição, são andamentos normais dentro dos processos legais, ninguém está sendo perseguido. Se o Dr. Protógenes não tiver nada vai ser absolutamente demonstrado isso também", disse.

Nesta quarta-feira, a PF apreendeu o notebook, celular e o rádio de Protógenes, que comandou a operação Satiagraha quando ela levou à cadeia o sócio do Opportunity, Daniel Dantas. A investigação contra Protógenes averigua se o delegado teria, supostamente,  vazado informações sigilosas sobre a operação.

Leia mais sobre: Operação Satiagraha

    Leia tudo sobre: satiagraha

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG